Clube dos Pensadores

Joaquim Jorge
Joaquim Jorge Fundador do Clube dos Pensadores

Ser suplente

Pepe veio como estrela e houve jogos que não lhe correram bem e foi suplente. Contra o Tondela aproveitou a oportunidade de Militão não jogar para mostrar que devem contar com ele, assim como, contra o Braga.

Este fim-de-semana em Espanha, no Real Madrid, Bale está zangado por ser suplente. Há uma coisa que me mete muita confusão, quando um jogador assina por um clube um contrato deveras milionário não está lá escrito que tem que jogar sempre e ser efectivo. Deve habituar-se à ideia que pode sentar-se no banco de suplentes, até, como estratégia para resolver um jogo.

Bale tem sido preterido, quer por Vinícius, quer por Lucas Vázques: Vinícius é muito rápido, pela sua magia e velocidade tem dado imensas assistências a Benzema; Lucas Vázquez pelo empenho no jogo, por defender e dar mais consistência à equipa.

Ser titular não é um direito nem um privilégio, um jogador de futebol tem que fazer por isso e justificar tal facto.

Marcelo e Isco têm ficado no banco e não vem nenhum mal ao mundo. Marcelo tem excesso de peso e está fora de forma e nos jogos que foi titular comprometeu a equipa por defender mal. Isco está desmotivado e deve ir embora. Deitem os olhos em Kovacic que saiu do Real Madrid porque queria ter mais minutos e acabou por ser suplente no Chelsea e ter ainda menos oportunidades.

Ao contrário de Pepe que aceitou ser suplente, Bale está amuado e este domingo depois de marcar o golo de penálti não festejou e afastou os seus companheiros. Procurou dar um sinal de insatisfação e desagrado por ser suplente.

Um futebolista pode querer ter estatuto de titular, mas tem que o justificar com a sua acção em campo. Bale tem tido muitas lesões é um jogador fabuloso, mas é intermitente. Pepe sabe que tem 36 anos e, que tem que fazer pela vida, para demonstrar ao treinador que é imprescindível.  

Um clube é sempre mais importante, do que qualquer jogador por mais excepcional que seja, e o mais importante, tem que haver respeito pelos adeptos.

Nunca tinha visto uma coisa assim! Kepa, guarda-redes do Chelsea, magoou-se e faltava pouco tempo para o final do prolongamento da final da Taça da Liga com o Manchester City, contudo negou-se a ser substituído, pois, achou que estava em condições para continuar. No jogo a seguir foi suplente.

Ser suplente ou passar durante o jogo a suplente, isto é, ser substituído não é do agrado de nenhum jogador, mas tem que acatar as ordens do treinador por muito que não as compreenda ou goste.


Mas, um jogador pode fazer sempre como Batistuta, nunca abandonou a Fiorentina, podia ter jogado no Real Madrid, Manchester United ou Milan, não ganhou títulos, mas foi sempre titularíssimo. São opções, na vida de um jogador, uns querem jogar e ficam numa equipa que lhe dá essas condições, outros querem melhorar o seu contrato e sujeitam-se.

 

 

Nota: Este Real Madrid sem Ronaldo é vulgar.

Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade
apenas 1€ por mês
experimente sem compromisso e garanta o seu lugar na bancada da melhor informação desportiva.
  • conteúdo record em qualquer sítio e a toda a hora
  • acesso no pc, tablet e smartphone
  • versão epaper do jornal no dia anterior
  • conteúdos exclusivos para assinantes
  • suplementos especiais

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.