Floresta de pernas

Leonor Pinhão
Leonor Pinhão

Vantagens da juventude e não só

Nem o amor do público nem a vitória faltaram à Seleção. O resultado foi o que se pretendia e a exibição não desmereceu o apoio daquela gente toda que foi ao futebol na terça-feira e que não se calou durante 90 minutos. Já para os apologistas das claques – daquelas claques "legalizadas" com o fino intuito de dar cultura às massas – faltou uma coisa. É que desta vez não houve Macaco em modo patriótico e oficial como houve no Portugal-Hungria no último mês de março e no Europeu de França em 2016. Não se sabe, no entanto, se a ausência do doutor Madureira na bancada da Luz resultou de uma instância do Benfica ou de uma disposição da FPF ou de um capricho da PSP ou até – quem sabe? – de uma exigência da Madonna.

As contas dos grandes clubes de futebol são exercícios vultuosos e nada fáceis de interpretar pelo cidadão vulgar. Se, eventualmente, o cidadão vulgar for um adepto vulgar de um grande clube de futebol logo terá a tentação de ver nos balancetes da sua cor aqueles sucessos admiráveis garantindo amanhãs que cantam, enquanto nos balancetes das cores dos outros só verá sinais claros de tragédias. O FC Porto foi o último dos clubes grandes de Portugal a apresentar a suas contas e fê-lo na quinta-feira passada pela voz autorizada do seu administrador Fernando Gomes, o antigo presidente da Câmara Municipal do Porto e não o Bi-Bota de Ouro nem, muito menos, o atual presidente da Federação Portuguesa de Futebol. Para um adepto portista que se preze foi de tal modo empolgante a notícia da compra dos 60% que faltavam para que o passe de Aboubakar fosse 100% pertença do FC Porto que a outra notícia do dia – justamente a apresentação das contas da SAD do clube pelo antigo presidente da Câmara Municipal do Porto – passou totalmente despercebida e, por um lado, ainda bem. É precisamente para isto que servem as agências de comunicação.

Portanto, sobre as contas do FC Porto nada há a dizer. Já sobre uma explicação fornecida por Fernando Gomes – atribuindo "o momento atual" à prática passada de assinar "contratos insuportáveis com jogadores" – não pode deixar de ficar instalada uma dúvida. Estará implícita nas palavras do administrador financeiro do FC Porto uma crítica mordaz à anterior administração do clube sendo que a anterior administração propriamente dita foi a presidida por Américo de Sá no século passado?

Hoje é dia de Taça de Portugal para o Benfica que é o seu legítimo detentor. Diz a imprensa que vai acontecer em Faro a estreia de um rapazinho belga de 18 anos naquele posto de maior importância que é o de guarda-redes. Substituir Ederson não é fácil para ninguém mas, neste caso, a tenra idade pode ser uma vantagem porque serve como atenuante. Sejam gentis.
Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade