Interrogatório

Luís Avelãs
Luís Avelãs Jornalista

Eliminação precoce após bons 45 minutos

Portugal fez contra o Uruguai a sua melhor prestação no Mundial?

Talvez, mas indiscutível é que a segunda parte foi a melhor na prova. A equipa teve bola e algum critério. Foi em busca do golo, chegou com justiça ao empate e depois acabou por sofrer em contrapé, quando estava claramente por cima e via o adversário a fraquejar. De seguida, até ao final, foi sempre a Seleção a procurar o golo. Mas a estrelinha que tantas vezes se notou no Europeu de 2016, agora não apareceu...

Qual foi a grande arma dos sul-americanos?

A eficácia de um atacante com a qualidade de Cavani. O dianteiro do PSG não precisou de muitas oportunidades para marcar dois golos e, dessa forma, fazer a diferença. De resto, o Uruguai foi o que se esperava: uma formação muito sólida (e agressiva) a defender, letal na hora de encarar a baliza contrária e experiente a gerir o ritmo que mais lhe convinha.

A titularidade de Ricardo Pereira no corredor direito era expectável?

Não, de todo. E não está em causa a sua valia. Contudo, uma eventual rotatividade na posição faria mais sentido durante a fase de grupos. Por outro lado, Cédric até vinha sendo dos elementos mais regulares da equipa. Foi uma surpresa.

Portugal sai de cena sem que alguns jogadores tivessem mostrado tudo?

Sim. E foram vários, alguns dos quais passaram completamente ao lado da competição. Gonçalo Guedes, que até conquistou a titularidade durante a preparação, talvez seja o caso mais óbvio. Mas da defesa ao ataque não faltaram desilusões. Em alguns momentos até parecia que estávamos a ver outros jogadores...

Há razão para Bernardo Silva só se ter destacado no duelo de despedida?

Aparentemente, a mudança para a zona central favoreceu-o. A segunda parte de nível da equipa tem muito a ver com a sua subida de produção. É óbvio que a postura defensiva do opositor também acabou por ter a sua contribuição.

Ronaldo podia ter feito mais alguma coisa?

Uma estrela como ele pode sempre fazer mais. Mas, como tantas vezes se diz, uma equipa não pode ser só um jogador. É verdade que a sua inspiração ontem não foi a melhor, mas sem o Ronaldo normal se calhar a equipa tinha regressado mais cedo...

1
Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade