Octávio Ribeiro
Octávio Ribeiro Diretor-geral da Cofina

A estrela é nossa

É óbvio que Fernando Santos já está de parabéns, mas também é óbvio que o selecionador português não vai entregar a taça de mão beijada aos franceses.

Esta final é um jogo à imagem da equipa que Fernando Santos foi modelando. Um bloco sólido que não procura a vertigem do ataque desenfreado. Uma equipa que sabe tapar caminhos e não tem fome excessiva de posse de bola.

Portugal vai ter de sofrer, saber encolher-se e explorar o contra-ataque. Pela primeira vez neste torneio, Portugal tem um jogo em que não é favorito. Vamos ficar confortáveis nesse estatuto.

Enfrentamos uma poderosa equipa, a jogar em casa e até com a história do seu lado. Três meias-finais, três eliminações aos pés dos franceses. Mas agora, pela primeira vez, o melhor jogador, a maior estrela, alinha do lado português.

Nos anos 80, Platini, e já neste século, Zidane, resolveram sempre para o lado francês. Chalana e Figo foram impotentes para equilibrar a balança.

Agora, Portugal tem a saúde
coletiva, a união do grupo e o rigor tático mais elevados de que há memória. E tem Ronaldo, um superjogador que se tornou um grande capitão.
Podemos vencer.

2
Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade
apenas 1€ por mês
experimente sem compromisso e garanta o seu lugar na bancada da melhor informação desportiva.
  • conteúdo record em qualquer sítio e a toda a hora
  • acesso no pc, tablet e smartphone
  • versão epaper do jornal no dia anterior
  • conteúdos exclusivos para assinantes
  • suplementos especiais

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.

0