De olhos na bola

Octávio Ribeiro
Octávio Ribeiro Jornalista

O discurso de Vieira

Vieira garante que a Benfica SAD não teve qualquer prática ilícita no âmbito do processo ‘e-toupeira’. E prova disso, leu e bem Vieira, é que nenhum dos seus administradores é arguido no processo. O Ministério Público acusou um alto funcionário do Benfica, Paulo Gonçalves, jurista com trajeto sinuoso, desde o Boavista ao Benfica, passando também pelo Dragão. Acusou também dois malfadados adeptos da águia que, pelas suas funções nos tribunais, acediam a informação sensível sobre pessoas e processos e a passavam com cego fervor ao dito Paulo Gonçalves.

Portanto, temos como acusados neste gravíssimo processo, três pessoas (o funcionário do Benfica, e dois funcionários judiciais) e uma entidade coletiva.
Ora as entidades coletivas (sociedades, empresas, cooperativas, clubes) não têm vontade própria. Servem e são servidas por pessoas. A não acusação do Ministério Público a Vieira, ou a qualquer outro administrador da Benfica SAD, fará, muito provavelmente, esboroar-se qualquer acusação que pudesse atingir desportivamente o Benfica. Resta Paulo Gonçalves, que, por muito relevância tida na estrutura do Benfica, não compromete ou vincula, por si, a Benfica SAD.

Caro Leitor, até agora, estas linhas foram escritas com recurso ao olhar de jurista deste humilde escriba. Mas o que importa a um jornalista que faça por merecer cada sílaba da palavra são os factos reais. Por tal, não é por terem faltado duras penas sobre os comportamentos provados no Apito Dourado que essas práticas passam a ser menos censuráveis. Como o processo de aliciamento a árbitros e jogadores, com que recentes dirigentes do Sporting terão manchado o bom nome do clube, não deixarão de ser uma vergonha se algum agente da justiça for menos competente e as provas se esboroarem pelo caminho.

Por maioria de razão, o que já se sabe sobre o comportamento deste Paulo Gonçalves, por via das provas recolhidas pela investigação, deveria ter merecido dos dirigentes do Benfica uma enérgica reação de repulsa. E, porém, nada aconteceu. Paulo Gonçalves continua a trabalhar e a ter lugar no camarote presidencial da Luz. Tal facto é certamente censurado pelos milhões de benfiquistas honestos e cidadãos cumpridores.

Os advogados que escreveram as breves palavras lidas por Vieira ontem à noite têm razão: a Benfica SAD vai poder defender-se com muita facilidade, uma vez que nenhum dos seus administradores é acusado. Mas tal facto não deverá fazer esquecer os mails de Paulo Gonçalves, que Vieira devia ter lido e respondido com um simples ‘não autorizo’.

O Benfica dificilmente será penalizado neste vergonhoso processo das toupeiras, mas é preciso que os benfiquistas decidam se querem o seu clube gerido em modo de quadrilha, sem leis nem ética.

4
Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade
apenas 1€ por mês
experimente sem compromisso e garanta o seu lugar na bancada da melhor informação deportiva.
  • conteudo record em qualquer sítio e a toda a hora
  • acesso no pc, tablet e smartphone
  • versão e-paper do jornal no dia anterior
  • conteudos exclusivos para assinantes
  • suplementos especiais