Dentro do balneário

Paulo Futre
Paulo Futre

Carlos, o que estás a fazer no Irão?

Esta semana correram Mundo as imagens de Carlos Queiroz em calças de ganga no treino da seleção iraniana, divulgadas pelo jornal ‘Varzesh3’, em protesto por ainda não ter assinado o contrato com a federação do Irão.

Houve tanto ruído que o técnico português reagiu na sua página do Facebook com algumas frases como estas: "As notícias colocadas a circular relativamente à minha postura e conduta como profissional de futebol são simplesmente inaceitáveis. Eis o meu protesto a garantir o treino e preparação desta equipa, mesmo sem contrato, mesmo sem saber se poderei ficar no Irão, mesmo sem saber se a federação terá recursos para a preparação da Taça da Ásia. Eis o meu silêncio, a assumir o momento delicado e a necessidade de ponderação para procurar resolvê-lo, por entre todos os problemas económicos e sociais que o Irão atravessa hoje." O Carlos nesta publicação anexou fotos do treino, equipado a rigor e não de calças de ganga como foi falado.

Queiroz está no Irão desde 2011 e para muitos este é o último capítulo de uma história louca, misteriosa, diferente, surreal e talvez única que já dura há sete anos entre um selecionador, federação e o governo do mesmo país.

Esta talvez seja a pergunta que o Carlos mais ouviu dos jornalistas nos últimos anos: "O que estás a fazer no Irão". A pergunta não é agradável para o míster, mas é obrigatória, pelos muitos episódios que houve e que passo a reportar.

Antes do Mundial de 2014, o Carlos disse: "Mostrei a minha disponibilidade para continuar, mas nestes últimos 11 meses não recebi nenhuma proposta para renovar o contrato. Chegou um momento em que tive de tomar uma decisão e deixarei de ser selecionador do Irão depois do Mundial."

Surpreendentemente, depois do Brasil’2014, chegou a Portugal esta notícia: "O contrato com o treinador da seleção nacional iraniana vai ser assinado antes de segunda-feira, provavelmente no domingo", revelou o chefe do comité económico do organismo, Abbas Torabian, à agência iraniana INAS. "Queiroz enviou uma resposta positiva por email ontem à noite [quarta-feira] e vai viajar para o Irão o mais rapidamente possível, para assinar o contrato". E assinou.

Em março de 2015, quando li esta notícia, foi um choque. "O treinador português Carlos Queiroz, que vai rescindir contrato com a seleção do Irão, foi este sábado impedido pelas autoridades de embarcar no aeroporto internacional Imam Khomeini por, alegadamente, ter dívidas ao fisco".

"Foi comunicado ao senhor [Carlos] Queiroz que está impedido de sair do país por falta de pagamento de impostos", noticiou a agência de notícias iraniana IRNA, que acrescenta que o técnico português "estava muito zangado".

Com esta situação surreal, como queriam os iranianos que Carlos estivesse? Feliz?

Algum tempo depois da sua detenção, saiu esta informação: "Segundo a IRNA, o contrato de Carlos Queiroz com a Federação Iraniana de Futebol estipula que compete ao organismo o pagamento dos impostos relativos aos rendimentos do selecionador". Que loucura...

Este verão foi uma repetição de 2014. Antes do Mundial disse que não ficava no Irão, mas depois do campeonato chegou a acordo com a federação. Estamos em setembro e ele já deveria ter assinado o novo contrato. Mas nesta relação tudo é possível... E ainda não assinou!

Esta página não chega para tantos episódios de uma história interminável. O Carlos foi meu selecionador nos anos 90 e quando estiver com ele pessoalmente vou dizer-lhe isto: "Em 2014, depois do bom Mundial que fizeste, tinhas várias ofertas de seleções e clubes, mas continuaste no Irão. Em 2018, depois do campeonato da Rússia e da imagem que deu a tua equipa, eras o primeiro da lista para seres o treinador de várias seleções com propostas financeiras iguais ou melhores do que tens no Irão. Mas uma vez mais preferistes lá ficar. Não sou jornalista, mas a minha pergunta é igual à deles: Carlos, o que estás a fazer no Irão?"

Eu a ti... não te vou responder

O jornalista Diego Torres, do diário espanhol ‘El País’, depois do campeonato do Mundo da Rússia disse que o futebol de Isco era prejudicial e maligno para a seleção espanhola. Apesar destas duras críticas, o jogador do Real Madrid foi convocado pelo novo selecionador de La Roja (Luis Enrique) e esta semana na conferência de imprensa esperou que Diego Torres lhe fizesse uma pergunta e respondeu assim: "Eu a ti não te vou responder". E rebentou a caldeirada em Espanha!

'Inveja' de William e André

Durante a minha carreira joguei muitos clássicos e dérbis, em Portugal, na Europa e no Japão. Mas há três dérbis que não joguei e adorava ter jogado e viver o ambiente da semana antes e depois do jogo nas cidades de Buenos Aires, Roma e Sevilha. Falo do Boca Juniors-River Plate, Lazio-Roma e Betis-Sevilha. O dérbi da capital andaluza, pelo caráter alegre dos sevilhanos, é único. O William e o André Silva acabam de chegar a Espanha e no passado domingo jogaram um contra o outro e já sabem o que é viver aquele ambiente espetacular. Durante o jogo senti um pouco de inveja saudável de ambos. Aquilo é especial...

Finalmente o 8/9/2018 chegou

Estou a escrever estas linhas quando falta pouco tempo para fecharem as urnas das eleições para a presidência do Sporting, e começar a contagem dos votos. No próximo sábado é dia 15 de setembro e fará quatro meses do dia mais negro da história deste gigante e enorme clube chamado Sporting Clube de Portugal. Uma grande maioria dos adeptos, simpatizantes e sócios sportinguistas – como é o meu caso – estávamos ansiosos há muitas semanas que este 8/9/2018 chegasse rápido para que o pesadelo que o clube vive desde 15 maio terminasse e para assim se começar um novo ciclo. E este dia chegou...
1
Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade
apenas 1€ por mês
experimente sem compromisso e garanta o seu lugar na bancada da melhor informação deportiva.
  • conteudo record em qualquer sítio e a toda a hora
  • acesso no pc, tablet e smartphone
  • versão e-paper do jornal no dia anterior
  • conteudos exclusivos para assinantes
  • suplementos especiais