Abrir o jogo

Pedro Santos Guerreiro
Pedro Santos Guerreiro Jornalista

Bruno

Bruno de Carvalho não tem culpa nenhuma nas derrotas recentes do Sporting, mas é ele quem pode vir a pagar por elas. Há muita gente doida para ter a sua cabeça num cepo. Esse cepo são os resultados, sobretudo para um presidente que criou a expectativa de ser campeão.

Não tem culpa porque o presidente do Sporting tem feito tudo bem. Depois de ter recuperado o orgulho dos adeptos no início e de uma jogada magistral na contratação de Jesus, esta época conseguiu ter peças para reconstruir a equipa de futebol. Falta montar essas peças numa equipa consistente, que ainda não é. Mas se o Sporting teve um final de ano terrível nem foi, no que toca ao campeonato, por jogar pouco. Teve azar e, sim, teve arbitragens adversas. O Sporting não merece estar à distância que está do topo.

Só que está. E havendo eleições no Sporting à espreita, os adversários mais ou menos assumidos sonham com a cadeira de Bruno de Carvalho, que tem contra si o que tantas vezes teve a seu favor: a agressividade intempestiva do seu discurso. Não dá para ter tanta garganta com barriga tão vazia. Sem ganhar não é possível tanta bazófia. E é isso que mesmo que já está – e será ainda mais – usado contra ele. A seu favor estarão as vitória que há pela frente. Quando se ganha, é-se sempre rei.

Quando Bruno chegou a Alvalade, o Sporting estava a anos-luz de poder sonhar com ser campeão. Hoje pode e foi o presidente que o conseguiu. Defraudar esse sonho é agora o seu maior problema.

1
Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade