Contra a corrente

Ribeiro Soares
Ribeiro Soares

Juventus despromovida

A Itália ganhou o campeonato do Mundo de futebol em 2006, na Alemanha; e em 2004/05 e 2005/06 a Juventus foi campeã de Itália, vencendo a Série A.

Entretanto, o tribunal disciplinar da Federação Italiana de Futebol tinha vindo a investigar, desde Março de 2006, um escândalo de corrupção (que ficou conhecido como "Calciocaos" ou, em italiano, Calciopoli) que envolvia alguns dos principais clubes, Juventus, Milan, Fiorentina e Lazio, na época de 2004/05. A corrupção consistia num complexo esquema de manipulação de resultados e passava pela nomeação de árbitros.
 
O referido tribunal anunciou a sua decisão em 14 de Julho de 2006, poucos dias depois da vitória da selecção no Mundial, com a despromoção e perda de pontos da Juventus, Lazio e Fiorentina e apenas perda de pontos para o Milan; e com pesados castigos para vários responsáveis federativos, dirigentes destes clubes (e de outros), árbitros e árbitros assistentes envolvidos no esquema, no total de 41 pessoas.

Após sucessivos recursos, as punições foram revistas, tendo a decisão final sido tomada a 25 de Julho – apenas 11 dias (!) depois dos primeiros castigos – ficando como se indica.

Clubes: A Juventus foi relegada para a Série B, começando em 2006/07 com menos 17 pontos na classificação; foram-lhe retirados os títulos de campeão de 2005 (não atribuído a outro clube) e 2006 (atribuído ao Inter); e sofreu pesada multa.

A Fiorentina manteve-se na Série A e começou 2006/07 com menos 12 pontos na classificação; foi excluída da Liga dos Campeões nessa temporada; e teve dois jogos em casa à porta fechada.

A Lazio manteve-se também na Série A, começou 2006/07 com menos 3 pontos na classificação; foi excluída da Taça UEFA nessa temporada; e teve dois jogos em casa à porta fechada.

O Milan começou 2006/07 com menos 8 pontos na classificação; perdeu a vaga directa na Liga dos Campeões tendo de jogar a terceira eliminatória; e disputou um jogo à porta fechada.

Dirigentes da Federação Italiana: O presidente sofreu pesada multa; o vice-presidente foi suspenso por 5 anos; o responsável pela arbitragem, suspenso por 2 anos e 5 meses; e o presidente da Associação de Árbitros, suspenso por um ano.

Árbitros: Apenas dois foram suspensos de apitar, um por 4 anos, outro por 5 meses.

Dirigentes de clubes: Da Juventus, o director-geral foi suspenso por 5 anos e depois banido do futebol; e o delegado-administrador suspenso por 5 anos. Do Milan, o vice-presidente suspenso por 5 meses; e o delegado arbitral por 2 anos e 3 meses. Da Lazio, o presidente suspenso por 4 meses. Da Fiorentina, o presidente de honra suspenso por 8 meses; o presidente suspenso por um ano; e o delegado-administrador, um ano e 5 meses. E da Reggiana, o presidente suspenso por 2 anos e meio e multado.

Actualizando: Portugal foi campeão da Europa de futebol em 2016, em França; e nas épocas de 2013/14 a 2016/17 o Benfica foi tetracampeão nacional.

Não consta que tenha havido corrupção em Portugal.

2
Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade
apenas 1€ por mês
experimente sem compromisso e garanta o seu lugar na bancada da melhor informação deportiva.
  • conteudo record em qualquer sítio e a toda a hora
  • acesso no pc, tablet e smartphone
  • versão e-paper do jornal no dia anterior
  • conteudos exclusivos para assinantes
  • suplementos especiais