De pé para pé

Rui Dias
Rui Dias Redator e repórter principal

O genial Modric

É o expoente máximo de uma determinada forma de jogar futebol, que nos tem fugido entre os dedos das mãos; um talento fora de moda, que resiste às novas tendências e luta pela sobrevivência com convicção inabalável. Porque a quantidade se sobrepôs à qualidade e o coletivo se tornou mais importante do que o individual, Luka Modric reciclou em parte o futebol que lhe corre nas veias: como todos os craques entende o jogo como fonte de engano e, em vez de usar a arte em benefício próprio, tem procurado elevá-la à condição global. Não se trata de fazer um ou dois truques com a bola, encantar plateias e transformar-se no herói da comunidade; serve o estilo para colocar o talento e a mentira ao serviço de uma ideia e da comunidade mais ampla que é a equipa.

Quando pega na bola, Modric sabe que todos os companheiros estão disponíveis para alinharem nas suas invenções; que todos o consideram um génio e estão dispostos a participar com uma passe para ele fabricar os sucessivos milagres que vai inventando. E precisa, claro, da cumplicidade com o treinador e de contribuir para a criação do manual que rege os mandamentos da equipa.

A Croácia, que tem várias estrelas, é uma equipa notável. Ao contrário de Ronaldo, Messi, Neymar ou Salah, Modric não se contenta em somar ao coletivo – e estes craques somam muitíssimo. Luka só se realiza a multiplicar o talento, melhorando, só por presença, a qualidade dos outros; em depurar a ação ao ponto de todos acreditarem na mentira que está a contar; em potenciar entre os companheiros a força de mensagens equivocadas sugeridas aos adversários: circular como se fosse burocracia, sabendo que, no momento certo, haverá o passe de rotura; arrefecer a manobra perspetivando o momento de aquecê-lo; jogar pela esquerda com a convicção de que o golpe surgirá pela direita; tocar a bola dezenas de vezes até ao passe ou do tiro fatal.

Modric pensa o futebol com a bola nos pés, por norma virado para a baliza e seguro de que atacar só faz sentido com a participação de muita gente. Quando está em condução todos devem estar conscientes de que não perderá muito tempo; de que a viagem será rápida e o destino da bola será um local do campo com pouca gente, porque essa é a sua especialidade: os lugares vazios. Já o mostrou no Rússia’2018: é tão grande, mas tão grande, que quando brilha a frase solta-se com deslumbramento: "Que bem joga a Croácia."

Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade
apenas 1€ por mês
experimente sem compromisso e garanta o seu lugar na bancada da melhor informação deportiva.
  • conteudo record em qualquer sítio e a toda a hora
  • acesso no pc, tablet e smartphone
  • versão e-paper do jornal no dia anterior
  • conteudos exclusivos para assinantes
  • suplementos especiais