A final onde as estrelas não brilharam

A final da Champions deste ano, em Kiev, entre o Real Madrid e o Liverpool ficou essencialmente marcada pela falta de brilho das suas maiores estrelas, sendo que no caso do Liverpool, a sua estrela mais cintilante viu-se obrigada a abandonar o terreno de jogo devido a uma lesão num lance com o central do Real Madrid, Sérgio Ramos. Porém, quando as estrelas não brilham costuma haver sempre um outro jogador que sobressai e neste caso foi a vez do galês Gareth Bale abrir o livro, tendo apontado um golo magistral logo após a sua entrada no terreno de jogo numa bicicleta perfeita onde o guardião do Liverpool nada podia fazer.

Contudo, o mesmo guardião da equipa inglesa borrou a pintura em dois golos que consentiu; o primeiro, numa reposição de bola com as mãos perto de Benzema, tendo o francês com toda a matreirice esticado a perna para a frente e com isso desviou a trajectória da bola para o fundo das redes; o segundo, num remate do próprio galês do meio da rua e, apesar da bola levar efeito, o guardião do Liverpool era para ter defendido a bola, nem que para o efeito tivesse socado a bola para a frente com força, lance a que a isso se impunha fazer. Apesar do resultado final ter sido de 3-1 favorável aos "merengues", o Liverpool quando estava a perder por 2-1 podia ter feito o empate num remate ao poste de Mané, ele que havia marcado o golo solitário dos ingleses num remate de cabeça. Porém, privado da sua maior estrela ainda no decorrer da primeira parte, o Liverpool ficou muito afectado no sector ofensivo tendo em vista o golo. Salah não faz uma equipa por inteiro; porém, tem muita influência na manobra atacante do Liverpool e se ele tivesse jogado o jogo todo sem quaisquer problemas o desfecho poderia ter sido outro, até porque o egípcio era o maior goleador do Liverpool na actual Champions a par do brasileiro Firmino, ambos com 10 tentos, mas foi o maior goleador da Premier League desta época com 32 golos, batendo, com isso, o recorde de maior números de golos apontados numa só época na Premier League. Porém, a outra estrela do confronto, em Kiev, o português Cristiano Ronaldo foi coroado como o maior goleador da competição com 15 tentos.

A final de Kiev teve golos, lesões e muita emoção, onde só faltou mesmo a estrela do Real Madrid e a estrela do Liverpool terem brilhado; a estrela do Liverpool não pôde brilhar, uma vez abandonou o jogo ainda na primeira parte, enquanto que a estrela do Real Madrid não pôde brilhar, porque estava numa noite pouco inspirada. Contudo, essa falta de inspiração de CR7 não impediu a sua equipa de erguer a Liga dos Campeões pela terceira vez consecutiva e com a de Kiev já são 13 o número de Taças dos Clubes Campeões Europeus e de Ligas dos Campeões, o que, diga-se, é obra. Só o Real Madrid já tem mais do dobro dessas competições ganhas do que o seu arqui-rival FC Barcelona, o qual tem 5 competições desse tipo conquistadas. Veja-se o feito triunfal de Zidane, o qual, no comando técnico do Real Madrid, conseguiu o feito de ser o único treinador a conquistar 3 Ligas dos Campeões consecutivas e, com isso, entrou já com toda a certeza para a história do clube como treinador, sendo que como jogador também já faz parte da história do clube "merengue". Com mais este triunfo do Real Madrid na Champions, Cristiano Ronaldo poderá muito bem conquistar mais uma Bola de Ouro na sua carreira, sendo que para isso dependerá muito a sua prestação e, consequentemente, a prestação de Portugal no Mundial da Rússia. Portugal não está no lote dos principais favoritos a conquistar o Mundial, mas com muita competência, pensando jogo a jogo, e com alguma dose de sorte, como a que ocorreu no Europeu de França, porque não apostar na nossa selecção como possível vencedora no Mundial da Rússia? Vamos ver o que acontece com Portugal e com o Cristiano Ronaldo neste Mundial.

Em suma, apesar de tanto Cristiano Ronaldo como Salah não terem brilhado na final da Champions, os dois por diferentes motivos, o jogo em si foi muito bonito de se acompanhar e o golo de Gareth Bale numa grande bicicleta foi o clímax dessa mesma beleza. Se o Salah tivesse jogado os 90 minutos, as probabilidades do Liverpool dar mais luta ao Real Madrid e, com isso, poder mesmo erguer a Taça da Liga dos Campeões seriam manifestamente maiores, dada a enorme qualidade do egípcio ao serviço da equipa inglesa, sendo que a sua presença no terreno de jogo contra qualquer equipa que for é sempre sinónimo de golo e de boas exibições. Cristiano Ronaldo disse no final que "foi muito bonito ter jogado no Real Madrid" e com isso o seu futuro permanece incerto. Uns dizem que fica no Real Madrid, outros avançam que poderá estar de saída. Duas coisas são certas: se sair para outro clube, terá de ser para um colosso do futebol europeu e terá de ser por muitos milhões, uma vez que CR7 é visto por muitos como o melhor futebolista do mundo da actualidade. Outra coisa também será certa: no caso do Cristiano Ronaldo brilhar no Mundial, contrariando, desse modo, o jogo da final de Kiev, Portugal chegará longe no Mundial e uma possível conquista no Mundial poderá começar a pairar nos corações dos adeptos portugueses.

Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade
apenas 1€ por mês
experimente sem compromisso e garanta o seu lugar na bancada da melhor informação desportiva.
  • conteúdo record em qualquer sítio e a toda a hora
  • acesso no pc, tablet e smartphone
  • versão epaper do jornal no dia anterior
  • conteúdos exclusivos para assinantes
  • suplementos especiais

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.