Guardiola: rendimento versus estatuto

Ontem assistimos a um jogo fantástico entre duas equipas tremendas. Tanto o Bayern de Munique como a Juventus são duas grandes equipas e é pena uma delas ter de ficar tão cedo pelo caminho.

O Bayern na minha maneira de ver tem muito mais qualidade, é mais equipa, tem futebol de ataque, velocidade, dinâmica, tem tudo para ser uma equipa de topo e das poucas que penso poderá fazer frente ao Barcelona. A Juventus é muito forte a defender, coesa, muita entreajuda entre jogadores mas eu tenho dificuldade em valorizar uma equipa que se fecha dentro da sua área a defender o resultado.

A história tem revelado muitos exemplos destes e por isso certamente o futebol é o desporto mais apaixonante. Quando nos lembramos do Inter de Mourinho dentro da área a defender a vantagem contra o Barcelona durante 90 minutos vemos que a justiça não reina neste meio. Foi quase um milagre e de certeza uma injustiça mas passaram e foram campeões da europa nesse ano. E ontem podia ter acontecido o mesmo. Se não aparece aquele golo no minuto 90 a equipa que mais defendeu ia conseguir o seu propósito. Não deixaram de ter várias oportunidades para sentenciar o jogo e a eliminatória mas a última meia hora foi confrangedora. Toda a gente ia dizer que a Juventus era muito boa a defender mas isso não chega. Defendo que devem passar sempre os melhores. As surpresas são engraçadas mas para o espetáculo deixam a balança desequilibrada. Neste momento toda a gente sonha com o Benfica por exemplo.

Mas onde quero chegar é que o Guardiola ontem não foi fiel aos seus princípios. Um treinador que muito aprecio e que criou provavelmente a melhor equipa de sempre (Barcelona). O Bayern tem sido uma equipa dominadora este ano. E na maior parte das vezes tem jogado com o Douglas Costa e com o Coman mas ontem cedeu à tentação de jogar com Ribéry. Antes de tudo uma injustiça para o Coman e que quase lhe saia muito caro. Não sabemos o que podia acontecer se ele tivesse jogado de inicio, até podia ter perdido mas é o que devia ter acontecido porque tem justificado com o seu rendimento. Ribéry foi um jogador de topo mas depois de tanto tempo parado fica a sensação que ainda está muito longe da forma e dificilmente vai voltar a ser o mesmo jogador. Não importa a idade mas sim o rendimento.

Outro ponto de interesse e que tem comparação com Rui Vitória e com os recentes casos de sucesso na formação do Benfica. Parece que cada jogador que vem da equipa B é ainda melhor dos que já cá estavam há muito tempo. O Lindelof e o Ederson mais recentemente tem feito jogos de enorme qualidade e se quando o Lisandro, o Luisão e o Júlio César recuperarem será uma injustiça se voltarem a ser titulares em detrimento destes miúdos. A recuperação da equipa muito se deve a estes jogadores. Aguardemos para ver se ganha o rendimento do jogador ou o estatuto.

Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade
apenas 1€ por mês
experimente sem compromisso e garanta o seu lugar na bancada da melhor informação deportiva.
  • conteudo record em qualquer sítio e a toda a hora
  • acesso no pc, tablet e smartphone
  • versão e-paper do jornal no dia anterior
  • conteudos exclusivos para assinantes
  • suplementos especiais