Linha direta

Miguel Amaro
Miguel Amaro Redação

Nunca seremos como os ingleses

Há uns anos, em Inglaterra, conheci um adepto do Leeds. Falar de bola resulta quase sempre entre os homens e bastou perguntar-lhe qual era o seu clube para evitar uma conversa sobre o estado do tempo. Disse-me que era do Leeds e ficou espantado por um português conhecer o seu clube, nessa altura já nos escalões secundários, uns dez anos depois de ter sido campeão inglês. 

"Gostei muito do título de 92, com o Cantona a marcar golos e o Ellan Road sempre cheio", disse-lhe. Ele falou das saudades de disputar a Premier League mas apenas disso: "Continuamos a encher Ellan Road mas agora noutra divisão. Um dia voltaremos, de certeza, mas é a vida, agora estamos por baixo. É o futebol, só pode ganhar uma equipa."

É assim a mentalidade de um inglês. Goste-se ou não dos outros hábitos deles, pelo menos nesse aspeto são um exemplo. Uma equipa foi campeã, disputou a Champions e poucos anos depois estava na 2ª Divisão. Com certeza por culpa de dirigentes que tiveram as opções erradas, treinadores que escolheram mal um onze, jogadores que falharam golos de baliza aberta. 

O simpático adepto do Leeds não culpou ninguém durante a nossa conversa. Limitou-se a um simples, "é o futebol", seguido do chavão "só pode ganhar um". Convivia com isso, triste com o destino dos "peacocks" mas fiel ao seu clube, sentindo-se apenas uma pequena parte dos milhares que continuavam a encher Ellan Road. 

Esta semana assistimos todos ao triunfo do futebol inglês na Europa. Estádios cheios, grandes jogos, muita emoção mesmo até ao final de cada duelo. De seguida, as redes sociais invadidas, com os comentários do costume: isto é que é futebol, não há como os ingleses, etc, etc. Pelo meio, os elogios aos vencidos: "Grande Ajax, mereciam a final, grande época", "Os adeptos do Eintracht são incriveis. Ninguém merecia perder", blá, blá, blá...

Em semanas como estas chego a acreditar que os portugueses gostam mesmo de futebol. Acredito que seriam capazes de, logo depois do seu clube preferido perder um título, pensarem: É a vida. É futebol, só pode ganhar um. Que seriam capazes de encher os estádios todos, acompanhando os jogos de forma apaixonada, mesmo se fosse na 3ª divisão.

Infelizmente, depois lembro-me: mais do que gostar de futebol, os portugueses gostam de ver o seu clube ganhar. Até pode ser com um penálti mal assinalado - felizmente com o VAR serão cada vez menos os mal assinalados - desde que ganhe. Na mentalidade de cada um - refiro-me à maioria, obviamente - a sua equipa nunca perde por culpa própria. 

Falar da paixão pelo jogo só vale em relação aos estrangeiros. Quando o assunto passa para dentro das fronteiras existe sempre um culpado para as derrotas e, se forem muitas, em última hipótese os estádios passam a ficar vazios, porque a maioria não está para se chatear com derrotas.

A minha vontade era a de comentar cada post do facebook, desses a elogiar o futebol do Ajax e do Eintracht, e perguntar por que não conseguem pensar assim em relação ao nosso futebol? Por que não pensam duas vezes antes de espalharem ódio pelos adversários nas redes sociais? Quem não perde  tempo sou eu, claro, a fazer estas perguntas, porque nunca seremos como os ingleses. É uma questão de mentalidade e os portugueses não conseguem assumir a própria culpa ou a daqueles de quem gostam. 

Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade
apenas 1€ por mês
experimente sem compromisso e garanta o seu lugar na bancada da melhor informação desportiva.
  • conteúdo record em qualquer sítio e a toda a hora
  • acesso no pc, tablet e smartphone
  • versão epaper do jornal no dia anterior
  • conteúdos exclusivos para assinantes
  • suplementos especiais