Record

Assinatura Digital Premium Saiba mais

Linha Direta

José Miguel Machado
José Miguel Machado Redação

O que une Cristiano Ronaldo e Lebron James

Foi há 15 anos que Cristiano Ronaldo e LeBron James surgiram com estrondo para abalar o futebol e o basquetebol, respetivamente. Um despontava no Sporting e estava em vias de sair para o Man. United e o outro era selecionado pelos Cleveland Cavaliers com a primeira escolha do draft da NBA. O destino juntou-os aí e, de então para cá, são muitas as semelhanças entre os seus percursos.
Ambos ganharam tudo o que havia para ganhar e ambos são hoje, aos 33 anos, considerados por muitos os melhores a fazerem aquilo que melhor fazem. E são também ambos candidatos à designação de GOAT (Greatest Of All Time) nas respetivas modalidades, dividindo a opinião de milhões e milhões de adeptos.

De todas as semelhanças que se podem encontrar entre Cristiano e LeBron, a que considero mais visível é a capacidade que mantiveram para continuarem no topo ao longo de tantos anos. Chegar lá é difícil, mas continuar lá, sem nunca baixar o nível, é o cúmulo das dificuldades. E ambos conseguiram isso com enorme distinção. Se são os melhores de todos os tempos a jogar futebol e basquetebol não sei, é discutível, mas parece-me evidente que não há nem nunca houve atletas com tamanha ambição e capacidade de superação.

Para provar isso mesmo, neste verão, Cristiano e LeBron decidiram voltar a desafiar-se a si mesmos. Um trocou o todo-poderoso Real Madrid, onde era rei e senhor, por uma aventura num clube igualmente grande, mas num país diferente, numa liga diferente e onde o objetivo passará por reconquistar um trono que pertence aos… madridistas. O outro, optou por sair de casa, pela segunda vez na carreira, e ingressar num emblema histórico que está à procura de se reerguer, mas que está a anos-luz das melhores equipas da atualidade da NBA.

Cristiano Ronaldo e LeBron James podiam ter optado pelo caminho fácil, continuar onde estavam bem, onde tinham sucesso e onde eram unanimemente considerados reis. Mas não, isso não faz parte da sua natureza. Sorte a da Juventus e a dos Los Angeles Lakers. E de nós, que vamos continuar a desfrutar de dois animais competitivos, que tudo farão para trazer sucesso aos seus novos clubes.
Deixe o seu comentário
M M