FIFA 18: Já sabemos mais qualquer coisa...

Seleção, noitadas e o amigo Gareth Walker

Conforme prometido, a cada início de mês vamos tentar compilar toda a mais recente informação relativa ao FIFA 18, que meio mundo já anda a salivar para ter. Ainda falta muito, mas já existem mais certezas sobre o jogo que nos faz sonhar com um papel de destaque no desporto-rei.

Hoje vamos centrar atenções no Modo The Journey, que regressará na próxima edição. Ainda não existem confirmações relativas às 'features' que este modo terá, mas nos fóruns da especialidade a especulação é mais do que muita e, por isso, vamos também embarcar na onda.

Possibilidade de editar Alex Hunter

Foi giríssimo jogar com o sósia do Rashford e fingir que estávamos entretidos a personificar um jogador com o qual não tínhamos nenhuma empatia inicial. Mas já está na hora de sermos nós os arquitectos da nossa personagem.

Esta será, seguramente, uma possibilidade que o jogo terá. Tendo em conta a evolução recente dos jogos e até a presença do motor Frostbite, é quase impossível que no FIFA 18 não possamos ser nós a criar o nosso personagem.

Seleção Nacional

Como sabemos, no final do The Journey, o nosso amigo Hunter é chamado à seleção (se não sabiam, azar, já deviam ter terminado). Certamente teremos agora um foco na carreira internacional, entre presenças na seleção e, eventualmente, na caminhada para outro país.

Mais conversa...

Acredita-se também que existam em The Journey 2 mais conferências de imprensa e mais conversas com colegas e adversários. Algo que foi bem aproveitado na estreia mas que pode melhorar muito na nova edição.

As noitadas

Muito se tem escrito sobre esta possibilidade. E às vezes de forma maldosa. Na verdade, não é crível que a EA Sports coloque no jogo o Hunter a bailar no Casino de Espinho. Deverá antes dar a possibilidade ao utilizador de aceitar ou não o convite dos colegas para ir sair, sendo que esta decisão influenciará a prestação no jogo do dia seguinte. 

Mais liberdade nas transferências

No primeiro The Journey andámos a ser um bocado toureados no que diz respeito às transferências. Já estavam programadas e seguiam, muito bem, a linha de narrativa. Agora as coisas podem mudar, com mais influência do utilizador nas hipotéticas transferências de Alex Hunter.

Ódio dos adeptos

Se seguirmos viagem do Manchester United para o Manchester City, é bem provável que os adeptos nos queiram chegar a roupa ao pêlo. Algo que será melhorado na próxima edição, com possíveis críticas nas redes sociais e afins.

Roda de diálogos

É necessário, sem qualquer sombra de dúvida, que a roda de diálogo seja melhorada no FIFA 18. As opções que tivemos no 17 são bem aceitáveis, mas é necessário um pouco mais, de forma a que a narrativa também mexa um pouco mais, dependendo daquilo que o nosso personagem disser.

Gareth Walker de volta

A relação entre Hunter e Walker foi das coisas que mais agradou a quem jogou The Journey. De resto, o ‘popular demand’ pelo regresso de Walker é enorme, porque de facto o rapaz caiu no goto de muita gente. Pessoalmente, não gostei nada dele, preferia ter um amigo mais ao estilo de Ibrahimovic, mas receberei o Gareth de braços abertos. Amigos como dantes...

Segue o Record Gaming no Facebook - https://www.facebook.com/RecordGamingPT 

Envia as tuas questões para – joaoseixas@record.pt 

Por João Seixas
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Record Gaming

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.