Quando o terror chega ao relvado

Entrada em campo de um radical do Hajduk Split trouxe à memória os atos de hooliganismo

11 de março de 2017. Liga da Croácia. O histórico Hajduk Split jogava com o líder HNK Rijeka e ganhava 1-0 aos 80’. Nesse minuto, o árbitro Mario Zebec assinalou um penálti a favor dos visitantes, que Bezjak converteu, empatando a partida. Na jogada seguinte, um adepto radical do Hajduk Split furou a barreira de segurança e entrou no relvado, com aquilo que parecia ser uma barra de ferro, perseguindo o árbitro. Estes episódios têm-se sucedido com alguma frequência na Croácia, pelo que Record falou com Mário Branco, diretor-desportivo do Hajduk Split, para perceber o que realmente aconteceu e a razão para este acontecimento.

"Há 12 anos que existe aqui uma guerra latente entre os adeptos e as estruturas do futebol. O descontentamento está ligado à estrutura da federação, organização da liga, transmissões televisivas e inclusivamente a seleção croata. Faz algum sentido que a seleção vá jogar a Los Angeles numa altura em que a liga está em andamento?", contesta, admitindo depois um erro:

"Não negamos que houve uma falha de segurança da nossa parte, pois entrou um adepto numa zona proibida. Mas não foi com uma barra de ferro, como se disse. A claque mais radical do clube está sempre atrás da baliza. Nós temos uma fila de bombeiros para apanhar os petardos e tochas que eles enviam. E o que o fã agarrou foi uma tenaz de fibra que os bombeiros usam para apanhar os petardos. O adepto fugiu à segurança e quis assustar o árbitro. Mas são ações reprováveis que o clube fez questão de condenar num comunicado."

Problema existe nos Balcãs

Mário Branco explica que este tipo de episódios não sucede só na Croácia. "É um problema recorrente em todo os Balcãs. Não é fácil controlar este tipo de situações. Nós temos o grupo de adeptos organizados mais antigo da Europa. As questões relacionadas com a falta de organização da federação é que têm motivado protestos mais veementes. Na Croácia não há um organismo como a Liga de Clubes em Portugal que promova melhor o produto. Temos tido reuniões periódicas com o governo croata para este tipo de questões e tentar controlar estas ações que todos reprovamos", disse.

Por Hugo Neves
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Record mais

Notícias

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.

0