Maratona de Valência cada vez mais perto da excelência

Voltámos a correr esta maratona espanhola e, um ano volvido, os elogios são... maiores

Kinde Alayew que voou nas ruas espanholas para um registo de 2:03:51
O turco Kaan Kigen Ozbilen acabou em segundo, com 2:04:16, e fixou um novo recorde europeu
Roza Rereje venceu e bateu o recorde da prova no feminino
Roza Rereje venceu e bateu o recorde da prova no feminino
Roza Rereje venceu e bateu o recorde da prova no feminino
Joshua Cheptegei voou para um novo recorde dos 10 quilómetros
Breakfast Run animou a manhã de sábado
Kinde Alayew que voou nas ruas espanholas para um registo de 2:03:51
O turco Kaan Kigen Ozbilen acabou em segundo, com 2:04:16, e fixou um novo recorde europeu
Roza Rereje venceu e bateu o recorde da prova no feminino
Roza Rereje venceu e bateu o recorde da prova no feminino
Roza Rereje venceu e bateu o recorde da prova no feminino
Joshua Cheptegei voou para um novo recorde dos 10 quilómetros
Breakfast Run animou a manhã de sábado
Kinde Alayew que voou nas ruas espanholas para um registo de 2:03:51
O turco Kaan Kigen Ozbilen acabou em segundo, com 2:04:16, e fixou um novo recorde europeu
Roza Rereje venceu e bateu o recorde da prova no feminino
Roza Rereje venceu e bateu o recorde da prova no feminino
Roza Rereje venceu e bateu o recorde da prova no feminino
Joshua Cheptegei voou para um novo recorde dos 10 quilómetros
Breakfast Run animou a manhã de sábado

Os números não enganam. Sejam eles referentes aos inscritos, aos 'finishers' e até mesmo aos tempos finais dos vencedores. Valência é cada vez mais um destino de excelência para os amantes do atletismo e arrisca-se a começar a 'incomodar' aquelas que são vistas como as melhores maratonas do Mundo, as chamadas World Marathon Majors - isto se não se juntar a elas em breve.

Há cinco anos, a cidade espanhola tinha uma maratona desconhecida para os estrangeiros. Agora, arriscamos dizer que é já dos palcos mais procurados no Mundo para se correr a distância mítica. Não só pelo perfil rapidíssimo da 'autoestrada' valenciana, mas especialmente pela forma entusiasta com que todos vibram com os 'loucos' que se lançam na busca por uma meta que em muitos casos muda a vida dos corredores para sempre. Record voltou a estar presente, depois de 2018, e a sensação é a mesma. Temos de voltar. E vamos voltar em 2020...

A emoção da prova começa bem antes do tiro de partida. Valência une-se em volta do evento [ver peça secundária], fazendo com que em nenhum momento deixemos de sentir que estamos num palco mágico. Como mágico é também todo o apoio que sentimos ao longo dos 42,195 quilómetros. Não vamos dizer que contámos com apoio em cada metro, porque estaríamos a mentir, mas até isso parece ser pensado, já que por vezes necessitamos de um pouco de silêncio para respirar fundo e termos um momento de concentração. Mas passados alguns segundos lá voltam os gritos dos populares, de miúdos e graúdos, os momentos de festa com dezenas de bandas a tocar e aquela sensação de estarmos a ser levados ao colo. E quando se aproxima a zona da meta, aí voltámos a sentir que estávamos em algo muito similar àquelas etapas rainhas das Grandes Voltas de ciclismo. Milhares e milhares nas ruas a formar um enorme corredor de apoio. Ali, por mais que estejamos sem forças, quase somos obrigados a cerrar os dentes e acabar em grande, até porque a linha de meta é provavelmente a mais bela do Mundo. Colocada na moderníssima Cidade das Artes e das Ciências, a chegada parece retirada de um filme. As imagens que mostramos acima ajudam a dar uma ideia, mas o melhor é mesmo vivê-la ao vivo.

Adeus 10 km... olá 30 mil

A edição deste ano marcou também o fechar de uma página neste evento, que a partir de 2020 deixará de contar com a prova de 10 quilómetros paralela, de maneira a permitir à organização focar-se na maratona. E até isso correu de forma perfeita, já que Valência se despediu destes 10 km com um recorde mundial, do ugandês Joshua Cheptegei (26:38). Tempo canhão que fica para a história.

Em 2020 o limite de participantes da distância rainha serão 30 mil e a julgar pela forma como as inscrições avançam, o mais certo é tudo estar já esgotado no primeiro trimestre do ano...

Uma cidade ligada à corrida

O título de ‘Cidade do Running’ foi colocado pelos valencianos, mas o autoelogio tem toda a razão de ser. Para quem vai de Portugal, o mais certo é sentir um choque pela diferença de tratamento. Na verdade, em Espanha a sensação é habitual, mas Valência tem dado passos firmes para se distinguir das demais.

Nos quatro dias lá passados foi incrível sentir a forma como a cidade se uniu à volta da prova. É certo que terá havido provavelmente alguém em desacordo, mas fomos sempre muito bem tratados. Em qualquer canto onde fôssemos havia algo alusivo à corrida e, por exemplo, restaurantes e hotéis desenharam menus especiais para os atletas. E nesses espaços não era de estranhar ver os funcionários a vestir (literalmente) a camisola da prova...

Este era um dos dias mais importantes da cidade e estes detalhes deram para perceber que o título de ‘Cidade do Running’ não poderia estar mais bem entregue. Venha 2020!

Participaste na Maratona de Valência? Conta-nos como foi a tua experiência, enviando o teu relato acompanhado de uma foto para o email recordptrunning@gmail.com

Por Fábio Lima
Deixe o seu comentário
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Record Running

Notícias

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.