Bilbao Night Marathon: Um pequeno assalto luso em terras bascas

Estivemos na prova espanhola e, de forma inesperada, encontrámos centenas de portugueses

Quando, há cerca de quatro meses, nos lançámos à aventura de fazer a Bilbao Night Marathon estávamos longe de pensar que haveria tanto português a correr por terras bascas, especialmente porque esta não é uma das maratonas ‘Premium’ do país vizinho. Mas a verdade é que na noite do último sábado houve efetivamente uma (pequena) invasão a uma prova que, tendo tanto para ser um sucesso, especialmente pelo facto de ser disputada num horário fora do comum, acabou por deixar algo a desejar, especialmente para quem, como nós, se desafiou para fazer a distância rainha, os 42k. 
 
Ao todo éramos 200 (parecem poucos, mas enquanto esperávamos pela partida e até durante a prova tivemos sempre alguma companhia lusitana) , num enorme pelotão de 15 mil corredores (1500 na maratona, 5250 na meia maratona e 5750 nos 10 quilómetros). Foi noite de casa cheia em Bilbao... Sim, noite, porque conforme o nome indica a prova fez-se à noite, com partida às 19 horas, junto ao emblemático San Mamés, que se vestiu de gala para receber milhares de aficionados do ‘running’, em contraste com o habitual cenário futebolístico que por ali se vive. 
 
Um ambiente incrível para começar, com muita música e animação, e uma primeira metade de prova (leia-se volta) interessante do ponto de vista do apoio popular, mas chata no que ao percurso diz respeito. Muitos retornos, alguns deles de certa forma ridículos, que apenas serviam para abrandar o ritmo de quem por ali andava em busca de tempos. 
 
Mas se o percurso eram duas voltas, por que razão é que ali acima só destacámos a primeira? Pois... Porque a segunda era apenas destinada aos corredores da maratona, que nesses derradeiros 21 quilómetros fizeram uma autêntica travessia no deserto. Tudo isto numa altura em que, como se sabe, o aspeto mental é quase tão importante como o físico.

Sem o apoio que se esperava do público basco, sem corredores para acompanhar e ditar ritmos, pois o pelotão estava incrivelmente partido, e também sem lebres, já que as da organização (excetuando raros exemplos) falharam redondamente o seu propósito - umas demasiado rápidas, outras demasiado lentas... – a segunda metade da prova foi um autêntico suplício para quem teve de cumprir os 21 quilómetros adicionais. Pelo menos foi para nós... 
 
O pódio ali tão perto 
 
Quem não falhou o seu propósito (e foi incrivelmente rápida!) foi Joana Fonseca, do Correr Lisboa, que cumpriu em Bilbao o seu objetivo de ser sub 3:00 à maratona. A prova não era a ideal para tal objetivo, especialmente por tudo o que falamos acima, mas a atleta portuguesa conseguiu-o. Fê-lo à justa e por escassos 29 segundos não subiu ao pódio feminino... 
 
Seria o coroar de sucesso de uma noite em que os portugueses, vindos de pontos mais diversos como Madeira, Póvoa de Varzim, Viseu, Coimbra, Porto, Peniche ou Lisboa, mostraram em terras bascas a sua boa disposição e garra. Alguns garantem que a vontade é regressar um dia, mas da nossa parte, mesmo com recorde pessoal no bolso... Não contamos voltar a correr em Bilbau, pelo menos não nestas condições...

Leia o relato completo aqui.

Por Fábio Lima
Deixe o seu comentário
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Provas

Notícias

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.