Outra vez segunda-feira

Alexandre Pais
Alexandre Pais Ex-Diretor Record

Nem de rabo sentado o VAR é competente

Fui, sou e serei um defensor do VAR. Mas defendo ainda mais a formação, para que se possa melhorar a qualidade da arbitragem. Porque instituiu-se o VAR a mata-cavalos e a inaptidão verificada no terreno prolonga-se agora no estúdio. Em campo, um árbitro incompetente levou o jogo de Tondela até ao minuto 99 e alterou a verdade desportiva. Com o rabo sentado e até com o aquecimento ligado, um VAR incompetente validou, mal, o primeiro golo do FC Porto no Estoril – teriam acontecido os outros se esse não contasse? – e validou, mal de novo, o golo da vitória do Belenenses sobre o Feirense, com isso alterando também a verdade desportiva. Não foram lances claros? Pois não, mas se o VAR não os avalia bem, qual é a mais valia que traz ao futebol?

Ao cabo de muita roupa suja lavada no tanque da varanda para gáudio dos vizinhos, Luís Filipe Vieira e Jorge Jesus encerraram os processos judiciais em que se acusavam mutuamente – sim, era o Benfica, eu sei – apresentando como justificação a vontade de "preservação da imagem dos protagonistas". E foram precisos anos para que as pessoas tão inteligentes que os rodeiam chegassem à conclusão que se tratava, e volto a citar, de uma "escalada geradora de mais danos do que benefícios"? Como me disse um dia um advogado amigo: "Deus proteja os litigantes compulsivos e os paranoicos das indemnizações, que é com eles que eu sustento a família".

Terminados os Jogos Olímpicos de inverno, deles destaco duas proezas. Desde logo, as cinco (!) medalhas da fundista norueguesa Marit Bjørgen, que elevou para 15 o seu total e ultrapassou o anterior recordista de medalhas, o compatriota do biatlo, Ole EInar Bjørndalen. A seguir, precisamente, o regresso aos grandes resultados da ora mulher de Bjørndalen, a bielorrussa Darya Domracheva, que superou a quebra de forma provocada pela doença e pela maternidade. Ao ganhar o ouro com um brilhante último percurso na estafeta – mais a medalha de prata na "mass start" – Domracheva reassumiu a condição de melhor biatleta do Planeta. Mais dois momentos altos do desporto no meu vasto currículo de espectador!

Sereia não sou, mas sei que semana após semana faltará sempre um tema nesta crónica. Infelizmente já dei – pouco, é certo, e mesmo assim demasiado – para o peditório daquela guerra estúpida de que só resultam vencidos. Manter-me-ei, por isso, fiel ao pensamento de Kafka: "As sereias possuem uma arma ainda mais terrível do que o seu canto: o seu silêncio".

Na semana que findou, completei 15 anos consecutivos de escrita no Record, mais de dez como seu diretor. Havia colaborado também durante alguns meses com o jornal, mesmo no início do século, pelo que estarei já entre aqueles que por mais tempo aqui produziram prosa. Fica assim próxima a altura em que o virtuoso silêncio a que me referi atrás será total, com a devida autorização do diretor-geral editorial da Cofina e do diretor de Record. Porque por muito duro que isso seja, o povo tem razão: a vida são dois dias.

Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade
apenas 1€ por mês
experimente sem compromisso e garanta o seu lugar na bancada da melhor informação desportiva.
  • conteúdo record em qualquer sítio e a toda a hora
  • acesso no pc, tablet e smartphone
  • versão epaper do jornal no dia anterior
  • conteúdos exclusivos para assinantes
  • suplementos especiais

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.