Antidepressivo vendido em Portugal associado a morte súbita e paragens cardíacas

Já terão sido relatados pelo menos 14 casos no Reino Unido

comprimidos, analgésicos
medicamentos, comprimidos
Médicos, xxx
Médicos, xxx
comprimidos, analgésicos
medicamentos, comprimidos
Médicos, xxx
Médicos, xxx
comprimidos, analgésicos
medicamentos, comprimidos
Médicos, xxx
Médicos, xxx

Um antidepressivo vendido em Portugal está a ser associado a problemas cardíacos e mortes súbitas. Chama-se Sertralina e já terão sido relatados pelo menos 14 casos no Reino Unido associado ao medicamento.

Liam Batten é um desses casos relatados pelo jornal britânico The Sun. Aos 24 anos, o jovem morreu depois de tomar o antidepressivo para aliviar a ansiedade e a agorafobia, uma perturbação caracterizada por ataques de pânico quando as pessoas que sofrem desta condição se encontram em espaços abertos ou com muita gente e sintam que não conseguem fugir. 

Morreu nove dias após o médico de família lhe receitar uma dose maior de Sertralina, estando esse aumento dentro dos níveis recomendados. 

A autópsia revelou que os níveis "elevados" de Setralina no organismo de Liam terão sido fatais. A morte deveu-se ao síndrome de morte repentina.

Sadie Stock, de 28 anos, é outro caso. A mulher estava a tomar Sertralina para tratar da sua depressão pós-parto. Sofreu uma paragem cardíaca quando se encontrava na rua.

A Agência Reguladora dos Medicamentos do Reino Unido admitiu que desde 1990, 164 pessoas morreram após a toma do medicamento. 14 dessas mortes deveram-se a problemas cardíacos.

Os especialistas na área da saúde alertaram, em declarações ao jornal The Sun, para o problema e sublinharam que este não pode ser ignorado.

A Instituição de Caridade Risco Cardíaco nos Jovens aconselhou os jovens com queixas coronárias a não tomarem Sertralina.

Autor: Correio da Manhã.

 

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.