João Loureiro e os "documentos" extraídos do seu telemóvel: «Não tenho nada a esconder»

Ex-dirigente do Boavista revela que enviou uma mensagem, via 'WhatsApp', ao comandante do avião

A carregar o vídeo ...
«Parece que vivi um thriller»: João Loureiro explica situação vivida no Brasil

João Loureiro, antigo presidente do Boavista, reagiu esta sexta-feira aos "documentos" que a polícia brasileira extraiu do seu telemóvel na sequência da apreensão de meia tonelada de cocaína no passado dia 9 no jato privado onde viajaria de Bahia (Brasil) com destino a Portugal.

Em declarações ao programa 'Liga D'Ouro', da CMTV, João Loureiro diz que consentiu a extração de mensagens que o próprio enviou ao comandante do avião, via 'WhatsApp', pedindo que "houvesse bastante na inspeção da carga do avião" no possível regresso a Portugal.

"Documentos? Nenhuns documentos... Eu é que, pronto, enviei uma determinada mensagem de 'Whatsapp' ao comandante do avião a solicitar que no regresso, que acabou por não acontecer, mas no possível regresso, que houvesse bastante rigor na inspeção da carga do avião, não a pensar que houvesse esse tipo de produtos que nem pela cabeça me passavam, mas por outros motivos que eu expliquei. Portanto, o que me foi pedido e perguntado foi se podiam retirar essas mensagens que eu enviei, e que de certa forma me ilibam, do meu telemóvel, e eu disse com certeza. Não tenho nada a esconder. Foi isso que se passou", atirou.

Por Record
2
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.