Joaquim Evangelista: «O que está a acontecer é assustador»

Presidente do Sindicato declara "tolerância zero" à viciação de resultados e recorda medidas já tomadas

• Foto: João Miguel Rodrigues

O Sindicato de Jogadores considera "assustador" o que está a acontecer na 2.ª Liga, com mais cinco futebolistas detidos por suspeitas de viciação de resultados. "Esta situação deve merecer a preocupação de todos os agentes desportivos", afirma Joaquim Evangelista a Record.

O dirigente sindical garante "tolerância zero" perante os infratores, pois "a classe não se revê nestas práticas que colocam em causa todos os jogadores". Ainda assim, mantém "o princípio da presunção de inocência" e garante que, como é sua obrigação, o Sindicato dará apoio judicial aos implicados.

"O papel das autoridades tem sido fundamental para que isto aconteça. Esperemos que continuem a ser céleres para apurar responsabilidades e punir exemplarmente os culpados", destaca Joaquim Evangelista, apelando à "cidadania desportiva" de todos os agentes. "Muita sabe que isto acontece e não denuncia. É dever de todos denunciar", sustenta.

O Sindicato de Jogadores deu recentemente uma prova do empenho no combate à viciação de resultados ao assinar um procotolo com a Federação, a que foi dado o nome 'Deixa-te de Joguinhos'. Ao mesmo tempo, foi assinado um acordo com a Sport Radar para monitorizar o fluxo de apostas e, assim, detetar movimentos suspeitos.

Sem querer desculpar eventuais fraudes desportivas, Joaquim Evangelista defende que é preciso atacar as causas deste problema: "O incumprimento salarial, a falência das SAD, os investimentos de estrangeiros, um modelo de funcionamento ineficaz e um modelo de governação falido."

Por Sérgio Krithinas
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.