O interrogatório de Rui Pinto e os emails que lhe foram apreendidos: da PGR à ex-mulher de Pinto da Costa

'Sábado' divulga as respostas que o criador do Football Leaks deu às autoridades

• Foto: EPA

Eram 18h37m de 22 de maio de 2019 quando Rui Pinto começou a ser interrogado pela juíza de instrução criminal Maria Atónia Andrade. Na sala estavam ainda a procuradora titular do inquérito Patricia Barão, a procuradora adjunta Vera Camacho e os advogados de defesa Francisco Teixeira da Mota e Luísa Teixeira da Mota. Depois de responder às perguntas habituais sobre a sua identidade e morada, a juíza perguntou-lhe se queria prestar declarações. Rui Pinto disse que sim - mas apenas sobre alguns dos factos pelos quais tinha sido detido: as suspeitas de entrar nos sistemas informáticos da Doyen Sports Invesments e do Sporting Clube de Portugal, de divulgar documentos confidenciais no site Football Leaks e de tentar extorquir o então CEO da Doyen, Nélio Lucas. Foi a única das várias vezes que foi chamado a depor que o pirata informático, num tom calmo e pausado, aceitou responder às perguntas das autoridades. portuguesas. 

Leia o artigo na íntegra na Sábado.

Por Sábado
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Football Leaks

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.