Adeptos "não conseguem perceber" proibição de regresso do público aos estádios

Associação Portuguesa de Defesa do Adepto lembra que "já foram feitos testes que correram bem"

Os adeptos "não conseguem perceber" porque é que o regresso do público aos estádios vai continuar a ser proibido e criticaram esta sexta-feira a "falta de fundamentação objetiva" do Governo para justificar essa decisão.

Em declarações à agência Lusa, a presidente da Associação Portuguesa de Defesa do Adepto (APDA) lembrou que "já foram feitos testes que correram bem", inclusivamente "em jogos de Liga dos Campeões em Portugal" e também em jogos "nos Açores", pelo que não entende "de onde vem esta insistência".

"Mais uma vez, temos um plano desconfinamento progressivo, que abarca uma série de atividades de índole cultural, muitas delas, provavelmente, em espaços fechados, e existe uma insistência, que não conseguimos compreender, em não incluir os jogos da Liga NOS nessa lista de eventos", criticou Martha Gens.

A líder da APDA concordou mesmo com o presidente da Liga Portugal, Pedro Proença, que se mostrou inconformado com a discriminação do futebol no desconfinamento, especialmente porque "a Liga está a trabalhar, desde abril, num plano para que as coisas funcionem" e, ainda assim, "nunca lhes foi dada sequer a possibilidade de fazer um jogo de teste piloto".

Por outro lado, Martha Gens recordou que a associação a que preside sempre foi "consciente da curva pandémica" e defendeu, noutras alturas, que não seria o momento ideal para o regresso dos adeptos às bancadas, uma vez que "a saúde pública está sempre em primeiro lugar".

"Mas considerando que existe um plano de desconfinamento progressivo e que está previsto os grandes eventos voltarem a receber espetadores a partir de 19 de abril, não se consegue compreender como é que ainda estamos em março e já se está a dizer que no futebol não vai ser permitido", desabafou.

Também a tutela foi visada pela presidente da APDA, que defendeu que o "IPDJ devia estar na linha da frente" nesta matéria, mas "não vê grande interesse nisto".

"Parece que há uma espécie de tabu relacionado com algo que não conseguimos compreender. Mais uma vez, ao contrário de todas as expectativas, e se tudo correr bem, não compreendermos porque é que o futebol fica de parte", concluiu.

Em 11 de março, o Governo anunciou que a realização de eventos exteriores com diminuição de lotação vai ser autorizada a partir de 19 de abril e, 15 dias depois, em 03 de maio, grandes eventos exteriores com diminuição de lotação.

No entanto, o Expresso noticia hoje que uma fonte do Governo deu conta ao jornal que, até ao fim deste período de desconfinamento, eventos como o Grande Prémio de Fórmula 1 e a I Liga "não terão público".

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.692.313 mortos no mundo, resultantes de mais de 121,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 16.754 pessoas dos 816.623 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Por Lusa

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Futebol Nacional

Mudar a sorte no Marcolino

Fogaceiros têm estado particularmente azarados nos últimos minutos dos jogos caseiros. Ganhar ao Varzim é imperativo

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.