Mino Raiola e os protestos sobre direitos humanos: «Política deve ficar longe dos jogadores»

Empresário fala em "muita pressão" sobre os atletas relativamente ao Mundial do Qatar

• Foto: Getty Images

Mino Raiola, um dos agentes mais influentes do futebol mundial, criticou esta segunda-feira as recentes manifestações de seleções como Alemanha e Noruega contra o desrespeito pelos direitos humanos no Qatar.

"Penso que a política deve ficar longe dos jogadores. Se eles quiserem manifestar-se, tudo bem, mas têm os seus próprios canais nas redes sociais para falar. A FIFA diz claramente nos regulamentos que não é permitido fazer manifestações políticas durante um jogo de futebol. Os jogadores devem ficar de fora disso, pois é algo que diz respeito à FIFA, ao Qatar e às federações", afirmou o empresário, ao canal holandês NOS.

"Na minha opinião, há muita pressão sobre os jogadores. Não foram eles que escolheram onde seria jogado o Mundial, foram as federações e a FIFA. Nesta altura, se querem algo dos jogadores, então devem deixar que eles se envolvam nesse tipo de decisões", acrescentou Raiola, que representa nomes como Erling Haaland, Matthijs de Ligt e Paulo Pogba.

Alemanha protesta contra o desrespeito pelos direitos humanos no Qatar

Por Record
1
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Mundial 2022

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.