Cruyff: «Tive dois grandes vícios na vida: fumar e jogar futebol»

Cancro acabou por derrotá-lo

• Foto: Reuters

Conhecido durante muitos anos por ser um fumador compulsivo, Cruyff deixou o tabaco em 1991, depois de uma operação de coração aberto devido a uma insuficiência coronária. "Deixei de fumar porque me disseram que, se continuasse, morreria", explicou. Nessa altura, era ele treinador do Barcelona, trocou os cigarros pelos chupa-chupas, como forma de controlar a tensão durante os jogos. Para trás tinha ficado uma imagem de marca: enquanto jogador, fumava Camel sem filtro nos intervalos dos jogos. Aliás, após a estreia pelo Barcelona, em 1973, acendeu um cigarro ainda no túnel e outro à saída do duche.

Depois, participou em ações antitabagismo, ficando célebre um anúncio em que dava ‘toques’ com um maço até o chutar para longe. A acompanhar, dizia: "Tive dois grandes vícios na vida: fumar e jogar futebol. O futebol deu-me tudo. Fumar quase m’o tira."

Relacionadas

Mais de vinte anos depois, tirou mesmo. Cruyff faleceu esta quinta-feira aos 68 anos.

Por Sérgio Krithinas
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Internacional

Notícias

Notícias Mais Vistas