Tribunal recusa liberdade condicional a ex-presidente do Barcelona

• Foto: Reuters

O ex-presidente do Barcelona, Sandro Rosell, viu esta quinta-feira ser-lhe recusado o pedido de liberdade, antes de julgamento, pela primeira secção da Audiência Nacional espanhola, tribunal com sede em Madrid.

Sandro Rosell, presidente do FC Barcelona entre 2010 e 2014, está detido desde maio de 2017, acusado de branqueamento de capitais, num esquema que envolve também o antigo presidente da Confederação Brasileira de Futebol Ricardo Teixeira.

Para fundamentar a sua decisão, o tribunal argumenta que há "perigo de fuga", sustentado pelos contactos de Sandro Rosell no estrangeiro, razão pela qual a justiça espanhola manterá o ex-dirigente em prisão preventiva.

Um argumento que foi defendido não só pela Procuradoria, como pela juíza instrutora do processo, Carmen Lamela, na resposta aos inúmeros recursos apresentados - no sentido de aguardar julgamento em liberdade - desde maio de 2017.

O julgamento de Sandro Rosell tem início marcado para 25 de fevereiro do próximo ano.

O antigo presidente do Barça incorre em 11 anos de prisão, por branqueamento de capitais e associação criminosa. Juntamente com ele são acusados a sua mulher, Marta Pineda, para quem é pedida uma pena de sete anos, e o advogado Joan Besoli (dez anos), entre outros.

De acordo com a acusação, Rosell terá ocultado em paraísos fiscais cerca de 20 milhões de euros, em proveitos obtidos com comissões ilegais nos direitos de transmissão de 24 jogos da seleção brasileira, e outros cinco milhões de um contrato de patrocínio com a Nike.

Deixe o seu comentário
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Barcelona

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.