Joaquim Evangelista diz que há desproporção no caso que envolve Bernardo Silva

Jogador português do Manchester City acusado de conduta imprópria

O presidente do Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol (SJPF), Joaquim Evangelista, considerou esta quarta-feira que há "desproporção", "exagero" e "falta de bom-senso" no alegado caso de conduta imprópria imputada ao futebolista do Manchester City Bernardo Silva.

"Quando nós condenamos o Bernardo Silva por um ato desta natureza, qual é a medida da pena para todas as outras sanções que têm a ver com o fenómeno em concreto", questionou Joaquim Evangelista, em declarações à agência Lusa.

O internacional português foi acusado pela federação inglesa de futebol (FA) de "conduta imprópria e ofensiva" para com o seu colega de equipa francês Benjamin Mendy, por causa de uma publicação nas redes sociais.

Em causa está um 'tweet' partilhado por Bernardo Silva com a imagem em criança de Mendy, colega de equipa e amigo desde os tempos em que ambos jogavam no Mónaco, acompanhado da ilustração do boneco característico da marca de chocolates Conguitos, com a pergunta "adivinhem quem é?".

"Começa a haver uma desproporcionalidade entre os factos, os comentários, as sanções e aquilo que se diz na opinião pública. De repente há uma higienização comportamental. Temos que ter bom senso e perceber o contexto em que as coisas acontecem", considerou Joaquim Evangelista.

O presidente do SJPF, que recordou os casos de Bruno Fernandes, com uma conversa privada partilhada, e do primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, fotografado mascarado de negro, diz que "há uma desproporção" e que se instalou na sociedade "uma teoria dos costumes, que vai além do razoável".

"É ridículo. Não há bom-senso. Há movimentos que, de facto, ultrapassam a razoabilidade e seja ao nível de outras más práticas, como racismo, homofobia ou xenofobia, quando vamos para além do razoável exigir, deixa de fazer sentido colocarmo-nos nessa posição de defesa", explicou Joaquim Evangelista.

A FA alega que o 'tweet' de Bernardo Silva, entretanto desvalorizado por Mendy, constitui uma violação agravada dos seus códigos de conduta por "incluir referência, expressa ou implícita, à raça e/ou cor e/ou origem étnica".

"Tem de haver razoabilidade para saber do que estamos a falar e valorizar apropriadamente aquilo que tem que ser valorizado. No caso do futebol, estamos a falar de jogadores que são referências para os mais jovens e são referências no desporto", disse.

Evangelista manifestou-se ainda incomodado, não só como presidente do SJPF, a quem compete defender os seus associados, mas "como cidadão ativo e consciente de uma cidadania global".

"Há um exagero e nós temos de condenar aquilo que efetivamente tem de ser condenado. Estes jogadores, quando têm este perfil [como Bernardo Silva e Bruno Fernandes], sabem quando cometem erros e são os primeiros a assumir e a pedir desculpa, que é um comportamento que ninguém destaca", assegurou.

O 'tweet' de Bernardo Silva gerou polémica, com a Associação de Combate ao Racismo 'Kick Out' a pedir para que a FA tomasse medidas, e o internacional português apagou-o quase de imediato, lamentando que não seja possível "brincar com um amigo".

Na carta, enviada na quinta-feira à FA, Bernardo Silva juntou um depoimento de Mendy, em que o companheiro de equipa diz não ter ficado ofendido.

A FA, que deu até 09 de outubro para Bernardo Silva responder, já tinha também escrito ao Manchester City, solicitando informações ao clube.

O treinador dos 'citizens', o espanhol Pep Guardiola, defendeu o internacional português, referindo que se tratou de "uma simples piada" entre Bernardo e Mendy, que são grandes amigos, acrescentando ser completamente errado pensar que o 'tweet' tinha conotação racista.

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Inglaterra

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.