Bruno de Carvalho: «Não fiquem chocados comigo, sou mesmo um filho da mãe»

Ex-presidente do Sporting 'confessa-se' a Julia Pinheiro

• Foto: Instagram

Bruno de Carvalho deu uma entrevista a Júlia Pinheiro, na SIC, onde falou da sua infância. O antigo presidente do Sporting contou que o seu primeiro brinquedo não foi um leão, lembrou a primeira vez que foi a Alvalade e admitiu que é um homem que diz palavrões. 

Brinquedo
"O meu primeiro brinquedo foi um urso de peluche. Depois começaram a vir os leões. Tive uma excelente infância. Um dia sem querer caí da cadeira e um dos meus dentes de leite foi todo todo para dentro da gengiva e depois, mais tarde, fiquei com um dente verde. Há uma ligação muito forte, há aqui qualquer coisa...

Primeira ida ao estádio
"A minha primeira ida ao estádio foi com o meu pai, com 6 anos. Disse-lhe que um dia ia ser presidente daquele clube"

Valor da palavra não
"Ensinaram-me uma série de valores, quando comecei a ter mesada, por exemplo, se gastasse acabou. Não havia adiantamentos. Havia amor, mas o meu pai era altamente ríspido. A minha teimosia não é daí que vem, aliás, não acho que seja teimosia. O que não gosto é de estar 12 horas, que foi o meu máximo, em reunião e depois de uma pessoa sair é quando eles começam a discutir a decisão que foi ali tomada."

Jovem Bruno
"Tenho de dizer, não fiquem chocados comigo, eu sou mesmo um filho da mãe. Sou filhinho da mamã. Nunca houve entre nós segredos absolutamente nenhuns, quando fazia asneiras na escola contava à minha mãe. A minha mãe é o meu primeiro grande amor."

Adolescente rebelde
"Acho que fiz tudo no tempo certo. Acho que fui um excelente filho. Fiz os meus disparates, os 15 anos são momento de alguma loucura - saía das aulas pela janela e voltava outra vez - foi a altura de tudo."

Betinho
"Era Betinho. As pessoas acham que não, chamam-me muitos nomes. Mas sou uma pessoa que sabe estar com 600 pedreiros a tarde toda. Mas não sou daqueles betinhos que querem ser. Os meus pais lutaram para eu ter formação como homem, como pessoa e como profissional Choco a minha mãe quando digo asneiras." 

Asneiras
"Digo em todos os contextos. Tive a minha empresa durante 20 anos, uma empresa de construção. Ia de fatinho, não dizia asneiras e um dia ouvi uma conversa entre dois funcionários a chamarem-me 'gravatas', que era para mim que estavam a ganhar dinheiro... Fui a casa, vesti umas calças de ganga, uma t-shirt e comecei a 'domar' a obra com má criação. Há locais onde sem má criação você não vai a lado nenhum."

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Jogo da Vida

Notícias

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.