Relato hilariante do casamento de Sergio Ramos: arame farpado, bastões elétricos e um buraco

Vicente Del Bosque e o cantor Carlos Baute são dois dos protagonistas desta rábula, que já se tornou viral

O espanhol Alberto González Vázquez, humorista e um dos guionistas do programa 'Intermedio', produzido pela Globomedia e que é emitido pelo canal 'La Sexta', fez no Twitter um relato hilariante e imaginativo do casamento de Serio Ramos e Pilar Rubio, um enlace, cheio de regras e secretismo que teve lugar no fim de semana, em Sevilha.

Alberto González Vázquez foi publicando tweets (27 no total) como se estivesse na boda e a partir de um telemóvel que teria levado secretamente escondido num sapato. O relato inclui Vicente del Bosque, o cantor Carlos Baute e uma imaginação muito fértil...

Eis a sequência de tweets:

"Boa tarde. Estou no casamento do Sergio Ramos. Recolheram os telemóveis, mas consegui esconder este dentro de um sapato. Vou tentar contar o que está a passar-se aqui."

"Fizeram-os passar por um pátio com arame farpado. Estão a ver as tatuagens. Descobriram um homem e uma mulher que as falsificaram. Deitaram-nos de bruços e estão a agredi-los com bastões elétricos. A mulher grita e o homem desmaiou."

"A mulher grita que o homem está morto. Que maneira de chamar a atenção. A ver se saímos daqui."

"Chegaram várias carrinhas blindadas. Começaram a algemar e a encapuzar os convidados, à medida que vão entrando nos carros. É claro que querem ter a certeza que a discrição é absoluta. Vou ter de esconder o telemóvel um bocadinho."

"Acabaram de nos largar no meio do nada. Não entendo. Vamos ver. Parece-me bem que queiram proteger a sua privacidade, mas muita gente ficou enjoada e passou mal durante a viagem. Alguns vomitaram e houve um efeito dominó. O cheiro era insuportável."

"Não sei o que é isto. Estamos no meio de uma imensa extensão de terra seca, quase sem vegetação. Ao longe vê-se uma espécie de hangar e umas montanhas. Nada mais. Não se vêm edifícios. As pessoas estão um pouco confusas."

"Um convidado está enervado e foi pedir explicações a um dos guardas. Sem dizer uma palavra o guarda atingiu-o com a coronha da espingarda. O homem está a sangrar como um porco."

"Acho que é o Vicente del Bosque."

"Deram uma pá ao Vicente del Bosque e ele começou a escavar um buraco. Acho que é ele, não tenho a certeza. Está a sangrar muito."

"Estão a dizer que a catedral é um chamariz para manter o verdadeiro casamento em segredo. Acho que isso é um pouco exagerado, na verdade. Os guardas estão muito nervosos. Gritam entre si numa língua que não conheço. Tenho que ter muito cuidado."

"Definitivamente é o Vicente del Bosque. Pôs-se a gritar com um guarda e a dizer que isto não é maneira de se tratar um selecionador. O guarda respondeu: 'Mas tu já não és o selecionador'. O Del Bosque ficou uma fera e tentou atingir o guarda com a pá."

"O guarda fartou-se e obrigou Del Bosque a entrar no buraco que estava a escavar."

"Isto não tem graça. De uma das carrinhas tiraram um homem que desmaiou no pátio, atiraram-no para dentro do buraco e disseram ao Del Bosque para o enterrar."

"Um dos convidados começou a gritar aos guardas: 'assassinos, assassinos!'"

"Acho que é o Carlos Baute."

"Amarraram o Carlos Baute e meteram-no dentro do buraco com o morto. O Vicente del Bosque está a enterrá-los. As pessoas dizem que isto é tudo preparado, mas eu não sei. Estou exausto, faz calor e cheira a vómito. Se é uma farsa, acho desagradável."

"Chega uma limusina branca."

"'Dedico-te uma canção se poupares a minha vida', diz Carlos Baute a um dos guardas. 'Diz-me como te chamas e dedico-te uma canção'. O guarda não reage. 'Diz-me como te chamas, por favor', insiste Baute. 'Imploro-te, diz-me o teu nome'. O guarda permanece impassível."

"O Carlos Baute começou a cantar no fundo do buraco: 'escrevo-te poemas, oh guarda excelente. Escrevo-te canções, oh guarda incrível...'"

"Começo a duvidar que nada disto é preparado porque, como espectáculo, é penoso."

"O Carlos Baute não consegue comover o guarda. O Del Bosque continua a atirar terra para o buraco, como um autómato. 'Pare, Vicente', grita Baute. 'Pare, por favor'. Del Bosque não reage. É como se tivesse entrado num transe."

"Carlos Baute começa a cantar outra vez. 'Escrevo-te poemas, Vicente del Bosque. Escrevo-te canções, Del Bosque Vicente'. Ele está a perder a inspiração. Cada vez custa-lhe mais. A sua voz está rouca. Acho que a terra está a entrar-lhe pelo nariz e pela boca."

"A limusina branca estaciona junto ao buraco e dela sai Sergio Ramos. Aproxima-se de Del Bosque e tira-lhe a pá das mãos. Dirige-se aos convidados: 'Trabalhámos duramente para que este casamento fosse perfeito. Durante meses. Não vou permitir que ninguém a arruine. Ninguém'."

"Ramos aponta para o buraco
- Gosto de Carlos Baute como de um irmão...
- Sergio!, grita Baute.
- Gosto dele como de um irmão. Mas tentou arruinar o casamento e isto é o que acontece a quem tenta arruinar a boda perfeita.
Ramos entra no buraco."

"- 'Carlos, gosto de ti, irmão', diz Sergio Ramos.
- 'Escrevo-te poemas, oh Sergio'...
Antes que pudesse terminar o verso, Sergio Ramos faz cair a pá sobre a cabeça de Carlos Baute e interrompe o seu cântico para sempre. Um guarda aproxima-se de Ramos e mostra-lhe um telemóvel."

"Ramos sai imediatamente do buraco. Levanta o telemóvel acima da cabeça. Está fora de si. 'Quem está a contar no Twitter o que está a passar-se aqui? Quem tem um telemóvel?"

"Merda"

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Jogo da Vida

Notícias

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.