Dupla tenta abrir portas ao badminton

Diogo Daniel e Beatriz Monteiro destacam-se em provas internacionais e apontam a novos voos

TEMA. Leg sfgh sfgh sfgh sgh sfgh sfgh sfgh sg df adfg adfg adfg adfg adfsdf sd
TEMA. Leg sfgh sfgh sfgh sgh sfgh sfgh sfgh sg df adfg adfg adfg adfg adfsdf sd
TEMA. Leg sfgh sfgh sfgh sgh sfgh sfgh sfgh sg df adfg adfg adfg adfg adfsdf sd

Em 2018, Diogo Daniel e Beatriz Monteiro tornaram-se os primeiros atletas portugueses a serem classificados pela BWF (Federação Mundial de Badminton) para competirem no circuito internacional de Parabadminton. Beatriz, de 15 anos, e Diogo, com 18, são dois atletas paralímpicos que somaram pontos para o ranking mundial, marcando presença em várias provas internacionais, e tentam dar maior visibilidade ao badminton no País.

“Comecei a jogar badminton com nove anos no desporto escolar e desde aí fiquei apaixonada pela modalidade. Ficava sempre entusiasmada quando ia competir lá fora. Vejo as competições como uma forma de me divertir”, garante Beatriz, que alcançou o pódio nos Internacionais de São Paulo (3ª) e Lima (2ª), em 2020, e pretende ver uma evolução na modalidade. “Existem cada vez mais pessoas a praticar badminton. Até abriu recentemente a categoria de sub-9, o que mostra maior interesse dos jovens. É uma modalidade muito diferente, pois não tem nada a ver com ténis, padel ou futebol. Não tem comparação possível”, explica.

Já Diogo Daniel, que iniciou a prática na modalidade aos 11 anos por influência da mãe, leva mais anos de prática e analisou como se desenrola o badminton na vertente paralímpica. “No Parabadminton não interessa a idade. Podes jogar frente a uma pessoa de 20 anos ou outra de 40 ou 60 e acaba por ser igual. Não se nota a diferença. Claro que é um desporto muito pouco falado. As pessoas acham que o badminton é o que vemos no desporto escolar e não tem nada a ver com isso. Os atletas, principalmente os que estão no alto rendimento, têm muita carga de trabalho e têm que gerir tudo de forma correta”, sublinha o atleta das Caldas da Rainha.

Diogo Daniel não tem dúvidas em afirmar que foi importante a entrada no circuito da BWF para a evolução do Parabadminton. “Tanto eu como a Beatriz Monteiro fomos os pioneiros na modalidade adaptada. Desde 2018 houve um aumento no número de atletas no Parabadminton e isso pode levar a que mais pessoas queiram experimentar a modalidade”, conclui.

De resto, tanto Diogo como Beatriz estão orgulhosos pelo trajeto que têm realizado. “A sensação de representar Portugal a nível internacional é ótima! A minha melhor classificação (9º) foi no Mundial de Basileia (2019) e quero melhorar”, frisa o atleta, de 18 anos, enquanto a jovem, de 15 anos, destaca: “Fico entusiasmada por competir lá fora e tento aproveitar.”

Apuramento para Tóquio acaba por ser um plano A

Pela primeira vez o badminton irá fazer parte do lote de modalidades que integram os Jogos Paralímpicos. Tendo isso em conta, e apesar da jovem idade, tanto Diogo Daniel como Beatriz Monteiro sonham em marcar já presença em Tóquio’2020. “Quero entrar já em Tóquio. A última hipótese de qualificação será em maio. Tenho de obter um pódio em Espanha, pois estou em 9.º lugar na qualificação e entram as seis primeiras de forma direta. Sou muito nova e apurar-me para Tóquio seria um sonho. Se não conseguir, Paris’2024 será o objetivo”, frisou a atleta, de 15 anos. Já Diogo foi perentório: “Espero conseguir a qualificação para Tóquio e depois para Paris’2024. Para ir a Tóquio necessito de ficar entre o 15.º e o 20.º lugar na prova em Espanha, mas acredito...”

Por Filipe Balreira
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Paralímpicos

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.