Heróis de chuteiras

César Rodrigues
César Rodrigues Investigador

Perder para viver; ganhar para não morrer

A caminho das meias-finais e após a saída prematura de vários campeões do Mundo, recuperamos Luis Monti, campeão em 1934 pela Itália, a única seleção titulada que não veio à Rússia.

Nascido na Argentina, a primeira experiência Mundial de Monti teve início em 1930, no Uruguai, marcando o primeiro golo… argentino. Seria vice-campeão, derrotado pelos anfitriões.

Em 1930, os adeptos uruguaios tudo fizeram para condicionar os argentinos. Monti foi o mais visado e, antes da final, recebeu ameaças de morte. Jogador robusto, o trinco ‘desapareceu’ na final, pedindo aos companheiros que o deixassem ‘fora de jogo’.

Criticado pela exibição, questionou mais tarde: "queriam que fosse herói do futebol?". Com direito a um verso no tango "Patadura" de Carlos Gardel, ‘el corazón de Monti’ sobressaltou-se e perdeu… para viver!

Em resultado do julgamento público, tomou a decisão de partir para Itália, para jogar na Juventus. Em 1932, chegou à seleção ‘azzurra’ como ‘oriundi’, lei que permitia convocar jogadores com ascendência italiana para fortalecer a seleção.

Monti foi totalista no Mundial de 1934 e tornou-se o único jogador presente em duas finais Mundiais por países diferentes. Pela segunda vez, o agora italiano Monti jogaria pela vida.

Ávido de usar o Mundial para propagandear o fascismo, o governo de ‘Il Duce’ colocou enorme pressão sobre os jogadores. O grande investimento na seleção e em infraestruturas ‘exigia’ a consagração ‘azzurra’ no Estádio do Partido Nacional Fascista.

Monti ficou perturbado
com a coação e, por vezes, jogou com maldade e ganhou a alcunha ‘El Terrible Monti’. Nos quartos-de-final
contra a Espanha, Orsi, também ítalo-argentino, deu os (maus) créditos da passagem a Monti, por ter ‘apertado’ todos os espanhóis, até o selecionador.

O mesmo Orsi, ao recordar o seu golo na vitória final sobre a Checoslováquia, relatou as palavras que Monti lhe dirigiu: "salvaste a nossa vida!" Com o lema ‘vencer ou morrer’ de Mussolini, talvez só a vitória permita a dúvida: onde acaba a divisa e começa a realidade?

Sem a dúvida metódica de Descartes, Monti… resolveu ganhar!
Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade