Com sotaque carioca

Lídia Paralta Gomes
Lídia Paralta Gomes Editora

Daqui para a frente

Olhemos para o global, ainda que o global pouco ou nada interesse para quem pede medalhas. O Rio’2016 tem, até ao momento, um recorde de diplomas (11), o maior número de presenças no top 16 (33, tal como em 2012) e a segunda melhor pontuação de sempre entre o top 8 (38, face aos 43 de Atenas’2004). Não vale para o medalheiro, vale para outras análises: o nível médio subiu, há mais atletas com bons resultados e em mais modalidades, o que, quem sabe, terá repercussões , boas repercussões, daqui a quatro anos, em Tóquio. Mas o futuro nunca será brilhante, porque não há um projeto estatal ambicioso (a começar na base) e não há iniciativa privada. Continuamos amadores e à espera que o amor ao desporto resulte em pódios olímpicos. Não resulta. Aos jornalistas cabe alertar, mas nem precisamos de fazer campanha. Basta fazer chegar ao leitor o que disseram, por exemplo, Rui Bragança, Fernando Pimenta, João Pereira ou José Carvalho. A experiência na primeira pessoa devia ser suficiente para se perceber o que está em causa.

Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade
apenas 1€ por mês
experimente sem compromisso e garanta o seu lugar na bancada da melhor informação desportiva.
  • conteúdo record em qualquer sítio e a toda a hora
  • acesso no pc, tablet e smartphone
  • versão epaper do jornal no dia anterior
  • conteúdos exclusivos para assinantes
  • suplementos especiais

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.

0