Joaquim Jorge
Joaquim Jorge Fundador do Clube dos Pensadores

Novas regras no futebol

Sempre fui a favor das novas tecnologias no futebol, antes, já havia no ténis e tem sido uma ajuda preciosa. O futebol precisa de ser correcto e decente sem artimanhas. A introdução do VAR tem gerado polémica, mas tem contribuído para que o jogo seja mais limpo e transparente.

O VAR pode errar, mas tem obrigação de errar menos que o árbitro. A tecnologia de linha de golo tem-se revelado imprescindível para o árbitro poder decidir se é golo ou não.

A acompanhar as novas tecnologias, o seu melhoramento com novas regras introduzidas pela FIFA, o futebol vai-se tornar mais dinâmico e haver mais tempo de jogo, com menos paragens e perdas de tempo. Todavia, o árbitro já tinha poder para alargar o tempo de jogo, por substituições, simulação de lesões, reposição de bola em jogo.

O futebol, como a maioria dos desportos é uma modalidade em constante evolução e deve ser aperfeiçoada, neste caso, mudar as regras.

Concordo com cartão para o treinador, há muitos treinadores que são insuportáveis que passam o jogo todo a dar cabo da cabeça ao 4.º árbitro, por vezes, parece que eles querem ser o árbitro principal. Por outro lado, permite ao árbitro um controlo mais efectivo do banco de suplentes, por cada 5 amarelos cumpre um jogo de suspensão.

Vai-se perder menos tempo com as substituições, o jogador substituído deve abandonar o campo onde se encontra, em vez de vir lentamente até ao banco de suplentes. Acho esta regra das melhores, todavia, já estou a imaginar o jogador substituído a passar do lado dos adeptos da outra equipa, a ser insultado e levar com objectos até chegar ao banco de suplentes.

No pontapé de baliza, a bola não tem que sair da área para que outro jogador da mesma equipa possa tocar na bola. Assim um defesa pode recolher a bola na área e começar a jogar com os seus colegas.

A barreira só pode ser composta por jogadores da equipa que defende. Os jogadores da equipa que beneficia da falta tem que estar a 1 metro da barreira. Evita-se confusões, empurrões e dificuldade de controle do árbitro e mais campo de visão quer para o guarda-redes quer para o avançado que vai rematar.

A mão ou braço na bola na área é sempre sancionada, mesmo que seja acidental. Não é clara para quem defende, isto, vai aumentar a polémica. Não se pode jogar com defesas sem mãos e braços, há muitos toques involuntários.

Há outra regra que mostra cartão vermelho à pessoa que aceda ao vídeo do VAR do terreno do jogo. Correcto, tem que haver decisões ponderadas sem pressão.

Por outro lado, não entendo a regra em que o guarda-redes não pode marcar golo com as mãos, da sua área. Nunca vi um golo marcado na baliza contrária com as mãos! Com os pés já e, o guarda-redes que conseguisse marcar um golo com as mãos da sua área, o golo deveria valer por 2.

Há algumas considerações que gostava de salientar, as regras não esclarecem nada sobre o jogo duro, empurrões agarrar os jogadores, dentro da área que é constante e nada acontece.

Acho que dentro da grande-área muitas vezes apitam-se penáltis em zonas que não é possível o avançado conseguir golo.

Vamos aguardar a aplicação das regras e ver como tudo se desenrola e se serão precisos alguns ajustes.

Fundador do Clube dos Pensadores

*escrevo ao abrigo do antigo AO

1
Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade
apenas 1€ por mês
experimente sem compromisso e garanta o seu lugar na bancada da melhor informação deportiva.
  • conteudo record em qualquer sítio e a toda a hora
  • acesso no pc, tablet e smartphone
  • versão e-paper do jornal no dia anterior
  • conteudos exclusivos para assinantes
  • suplementos especiais