Maratona de Valência: a experiência de Pedro Amaro

Maratona de Valência... o que dizer de uma prova em que tudo pareceu simplesmente perfeito...? 

A escolha desta prova aconteceu dias depois da Maratona da Europa, na qual me estreei na distância e, apesar de ter adorado a experiência, não atingi o objetivo sub 3h, tendo mesmo finalizado a prova completamente esgotado, o que me levou a questionar se deveria mesmo voltar a fazer outra maratona. Acredito que muitos fazem esta questão após a primeira, mas depois o desafio desta distância acaba por falar mais alto, surgindo a Maratona de Valência no horizonte. 

A preparação começou após 3 semanas de pausa, ainda em pleno agosto, dia 8, totalizando cerca de 16 semanas de plano de treinos.  

Ao contrário da primeira maratona, tive a orientação do David Silva que foi sem dúvida uma mais valia em todo este trajeto.

Segui também um plano de nutrição rigoroso, que culminou numa perda de peso de cerca de 5kgs (68kgs na Maratona da Europa Vs 63kgs na Maratona de Valência), sendo uma grande vantagem para poder melhorar os meus tempos. De salientar que foi uma perda de peso de forma saudável, conseguida através de uma alimentação mais equilibrada, com maior perda de gordura (tenho cerca de 8% de MG). 

Durante o período de preparação participei num conjunto de provas, talvez até em excesso, que me deram uma motivação extra pelas alegrias que fui tendo e também por serem quase todas uma estreia:

Corrida do Tejo
Grande Prémio do Vale Grande
Meia Maratona de Coimbra
Duratrail
GP das Castanhas no Sarzedo
Meia Maratona da Nazaré 

Ao longo desses meses também não faltaram alguns problemas físicos, mesmo que não tenha parado de correr, tive contratempos que me deixavam preocupado. O principal foi o joelho direito que, graças à intervenção do Tiago Silva, ficou 100% debelado.

A duas semanas da maratona fiz uma pequena entorse, o que me deixou ainda mais preocupado. Felizmente não passou de um susto e, após 3 dias com algumas dores a correr, a dor desapareceu. 

Como habitualmente, mantive também nesta fase uma sessão semanal de massagem com o JF Massagista, que seguramente me livrou de problemas maiores e permitiu que as minhas pernas aguentassem a carga de kms semana após semana. 

Perante estas condições, cheguei à Maratona de Valência a 100%, mesmo que na última semana antes da prova tenha sentido as pernas mais cansadas do que esperava, provavelmente devido a stress pré-prova, felizmente no último treino senti-me novamente bem e pronto para o grande dia! 

A inscrição para a prova foi feita em maio, algumas semanas antes de esgotarem as 25.000 inscrições. O hotel e viagem foram também adquiridos no mesmo período. Foi no aspecto logístico onde tive mais problemas, talvez por ser novato em provas internacionais, não tive em consideração diversas questões importantes. A primeira refere-se ao dia de viagem marcado para sábado, véspera de prova. Como marquei o voo muito cedo, a Ryanair fez o "favor" de alterar os horários e, em vez de sair às 9:50 como inicialmente reservado, tive de sair às 7:50, pelo que acordámos muito cedo, o que fez com que tivesse um dia difícil antes da prova. Claramente da próxima vou viajar pelo menos dois dias antes da prova, até para aproveitar da melhor forma a feira da maratona e outras atividades existentes, como o breakfast run.

Outro erro cometido foi sobre a localização do hotel, uma vez que fiquei a cerca de 7kms da prova e sem transportes públicos, implicando andar sempre de táxi e gastar o que poupei no hotel.

Ficam as dicas para quem ler não fazer o mesmo que eu. 

Dia da prova! Depois de uma noite razoável de sono, acordei às 5h e não dormi mais. Tomei banho, equipei-me e sigo para o pequeno-almoço do hotel. De realçar que o próprio hotel iniciou o serviço de pequeno-almoço às 6h devido à maratona, o que é de louvar.

Às 6h estava a sala do pequeno-almoço cheia de maratonistas prontos, como já esperava. 

Depois do pequeno-almoço foi preparar-me para sair de casa e apanhar táxi. Mais uma atenção a ter é sobre a reserva de táxi no dia anterior. Felizmente fui avisado para ter essa questão em atenção e fiz a reserva.

Assim, às 7h estava a sair do hotel juntamente com o Daniel Seborro, que ia fazer a sua estreia na maratona, com o seu irmão.

O táxi deixou-nos a cerca de 1km da partida e lá fomos nós a andar nas calmas, embora ansiosos.

Primeira coisa que fizemos foi deixar os pertences no bengaleiro. Eram cerca de 7h45 e foi muito rápido, sem qualquer fila, mesmo só faltando 45 minutos para o início.

Entretanto procurámos a zona onde teríamos de entrar para o nosso bloco de partida e facilmente percebemos que o acesso seria simples. Foi hora de ir ao WC e uma vez mais constatámos que não havia qualquer fila, que grande logística tínhamos à nossa disposição! Por volta das 8h05 o Daniel e eu fomos aquecer, havia bastantes ruas disponíveis para fazermos o nosso aquecimento e depois de uns 10 minutos estávamos prontos para umas retas. Nova ida ao WC e está na hora de ir para o bloco de partida rosa (tempos de 2h50m a 2h59m). Mesmo faltando cerca de 10 minutos para começar, conseguimos entrar com bastante facilidade. Depois de encontrar o Pedro Pereira e o Ernesto Ferreira e dar um "boa sorte", ficámos o Daniel e eu. Combinámos fazer a prova juntos, considerando termos o mesmo objetivo.  

A estratégia era simples, ir mantendo o ritmo nos 4:10/km e ir constante. 

Tentámos encontrar o Frederico Lázaro, que também fazia parte deste plano a 3 para alcançar o sub-3h, mas sem sucesso. 

Assim, depois de uns minutos deu-se a partida! Mesmo não estando muito à frente do nosso bloco, ao fim de cerca de 1min estávamos a passar a partida e o ambiente era de arrepiar! Foi sem dúvida especial esta partida. 

Assim, após os primeiros metros e de acertar com o ritmo, o Daniel e eu seguimos sempre bastante constantes. Eu acabei por levar o relógio sem voltas automáticas com o objetivo de poder fazer as voltas manuais de 5kms em 5kms, conforme a marcação do percurso e assim estar ciente dos tempos e ritmos "reais" que estava a fazer. Contudo, após passar os 5kms não encontrei a placa e então decidi fazer apenas de 10km em 10kms. 

De referir a quantidade enorme de atletas a correr ao nosso redor. Apesar das largas ruas, fiquei impressionado de ter tantas pessoas por perto, o que me deixou algo apreensivo pelo risco de levar um toque e poder cair. Felizmente não aconteceu, apesar de ter levado diversos toques nas pernas no decorrer dos primeiros 20kms. 

Tanto o Daniel, como eu seguíamos bem, os kms passavam e passamos ao km10 com 41:51, fazendo as contas dava um pace perto de 4:11 (o relógio marcava 4:10). Com voltas manuais facilmente ficamos com noção do nosso ritmo "real" e no final de 42kms isso fará a diferença. Claramente uma boa estratégia que segui a conselho do Pedro Pereira e do Fábio Lima. 

No que toca aos abastecimentos também correu tudo bastante bem. Até aos 25kms fui fazendo trabalho de equipa com o Daniel, apenas um recebia água e partilhava com o outro. Teamwork perfeito. 

Ao km15 tomo o primeiro gel. Tinha levado 3 géis para a prova, mas o objetivo era usar apenas 2, a cada hora. Contudo percebi logo que ter tomado apenas aos 15kms foi demasiado tarde e ficar por apenas 2 géis seria uma má estratégia. Senti que as pernas não estavam no seu melhor nesta fase e comecei a recear o que seria de mim depois dos 30kms...

Apesar dessa sensação menos boa, seguíamos a bom ritmo. Senti que o Daniel por vezes ia um pouco mais rápido, o que demonstrava a sua confiança e boa forma, mas depois seguia novamente no mesmo ritmo, demonstrando também inteligência e maturidade, mesmo sendo a sua primeira maratona.

Ainda por volta dos 15kms vejo o mister David Silva que me diz que o Fred segue bastante perto de nós. Apesar de ir olhando para trás várias vezes não o avistei. A ideia de fazermos os três a prova em conjunto estava a ir por água abaixo...

Voltando à prova, sempre em ritmo constante, aconteceu algo no mínimo curioso... passamos a placa dos 20kms e depois de fazer a volta manual reparo que o parcial dos 10km aos 20kms foi novamente de 41:51! Coincidência ou não, a verdade é que seguíamos num ritmo verdadeiramente constante. 

Passamos a placa que assinala a primeira meia maratona e fechamos com o tempo de 01:28:21, ritmo de 4:11/km, dentro do previsto.

 Momentos depois quem aparece? O Fred! Acabou por partir mais atrás do que o Daniel e eu. Finalmente estávamos os três juntos e agora sim seguíamos ao mesmo ritmo com intenções de terminarmos em grande! 

Ainda não realcei o apoio que recebemos até esta fase. Apesar do final prometer ser espetacular, conforme todos os amigos que já fizeram esta prova relatavam, desde os primeiros kms que fomos tendo apoio. Aliás, não me lembro de uma única fase onde não houvesse pelo menos um conjunto de pessoas com um incentivo. Para quem, como eu, fez a primeira maratona em Portugal, já era claramente uma grande diferença, uma vez que na Maratona da Europa não senti praticamente incentivo nenhum do público. 

Passamos os 25kms e penso em tomar o segundo gel, ao contrário do que planeei inicialmente, dado que estava a prever tomar apenas nos 30kms. Foi sem dúvida a melhor decisão, uma vez que 2kms depois estava a sentir o seu efeito e senti claramente uma energia renovada. As minhas pernas começaram a responder doutra forma. 

Aos 28kms o David Silva junta-se a nós e seguimos os 4, o Daniel, o Fred, o David e eu, conforme planeado. Contudo não seria por muito tempo, uma vez que eu me sentia efetivamente muito bem nesta fase e apenas quis esperar pelos 30kms antes de aumentar o ritmo. 

A questão dos 30kms deve-se ao facto de estar receoso de "partir" muito cedo, uma vez que se aumentasse o ritmo kms antes, corria o risco de não aguentar até ao final, pelo que considero que foi a estratégia acertada. 

De realçar ainda que, ao longo de toda a prova, quis sempre ter noção do ritmo cardíaco a que estava. Assim, de km a km ou talvez menos, ia vendo a FC. Nos primeiros 10kms andou sempre a rondar os 150 ou menos. Nos segundos andou entre os 150 e 155. A partir dos 20km até aos 30kms andei nos 155 a 165.

Após os 30 e coincidindo com a fase onde acelerava o ritmo, a minha FC subiu para perto dos 170. 

Voltando à prova, a partir dos 30kms comecei a sentir-me muito bem mesmo o que, aliado a todo o apoio fantástico nas ruas, fez-me ter um momento de felicidade que não consigo descrever. Simplesmente estava feliz por estar ali, estar com excelentes sensações e sentir aquele carinho de Valência. Foi sem dúvida um momento especial e enquanto escrevo estas palavras e revivo aquele momento, estou a sentir essa felicidade. Sentia que o objetivo sub-3h estava garantido, mesmo faltando 12kms e sabia que poderia sonhar até com alguns segundos a menos. Com isto aumento o ritmo e sigo determinado, fazendo os 5kms seguintes em 20:08 (4:01/km).

Aos 35kms tomo o terceiro gel e volto a aumentar o ritmo! O apoio do público tende a aumentar e eu começo a fazer contas... será que dá para baixar das 2h54? É essa a minha missão a partir dos 35kms. As pernas já começam a pesar mais, mas sigo determinado e volto a "puxar" por mim. Assim faço do km35 ao km40 em 19:34 (3:55/km) e entro na fase da prova que é simplesmente fabulosa! É incrível quando começas a ouvir pessoas a chamar pelo teu nome do dorsal! As ruas estreitam com tanta gente! A música toca mesmo e faz-nos acreditar que ainda podemos dar mais de nós próprios e acabar mais fortes, é simplesmente um momento mágico em que não consegui de parar de sorrir, estava feliz e o meu ritmo simplesmente disparou! Passado o km40, vejo o Pedro Pereira, que fez uma grande prova! Dou-lhe um olá e digo para vir, mas eu simplesmente estava a sprintar a 3:40/km! Inacreditável como após 40kms eu tinha energia e ânimo para fazer parciais bastante abaixo de 4:00/km e perto dos ritmos a que corro uma prova de 10kms! Só pode ser mágica esta prova para nos dar esta energia e "carregar-nos" nestes metros finais rumo à meta. Vejo a placa dos 800m e vejo o relógio a marcar 2h49m40s e tendo ainda dar mais! Começo a "cheirar" a casa das 2h52m e só quero aumentar o ritmo. Vejo finalmente o piso azul que nos leva à meta, naquele momento mágico e depois de ver que estou dentro das 2h53m apenas abro os braços e alivio um pouco o ritmo para desfrutar daquele momento e cruzar a meta com o sentimento de felicidade e de superação que havia conseguido, foi simplesmente mágico e especial!

Como tempo final ficam as 2h53m14s, bastante abaixo do objetivo proposto!

Assim que termino a minha prova, vejo o Rui Alves, que abraço. Ele diz-me "eu bem te disse que sub-3h era pouco para o que estás a andar". Ele tinha razão! 

Segundo depois chega o Pedro Pereira e mais um abraço. Grande prova a nossa! Mais uns segundos e vemos o Fred juntamente com o David. Fiquei muito contente pelo grande Fred ter feito uma excelente prova, que grande nível! Aguardava ainda o Daniel que tinha ficado para trás, segundo o Fred. Infelizmente não conseguiu chegar abaixo das 3h devido a problemas intestinais, o que me deixou algo triste uma vez que ele estava muito bem e claramente ia fazer abaixo das 3h. Aliás acho que conseguiria acompanhar-me a partir do km30. Tenho a certeza que fará uma grande maratona na próxima! 

Depois de recebermos a merecida medalha, que é simplesmente linda, fomos rumo às massagens. Bem, o que dizer... havia uma grande enorme de massagistas, pelo que tivemos de esperar muito pouco tempo, espetacular toda a logística montada. 

De seguida encontrei a Lili e fomos ao bengaleiro, novamente bastante rápido. Entretanto dou de caras com o Daniel que me contou o sucedido.

Depois era hora de fazer a gravação do tempo na medalha e uma vez mais foi bastante rápido.

Finalmente, hora de tirar algumas fotos para a posteridade com a bela medalha conquistada.

Como conclusão sobre a maratona de Valência, foi sem dúvida uma excelente escolha para fazer a minha primeira prova internacional. De referir que a prova é bastante plana, sem grandes subidas nem inclinações. É muito boa para fazer grandes tempos por esse motivo e acima de tudo pelo grande apoio que recebemos de início ao fim, é simplesmente indescritível a sensação daqueles últimos kms! A juntar há ainda o facto da excelente organização sobre a qual não consigo apontar nada de negativo, porque simplesmente a prova foi perfeita!

Alguns números sobre a Maratona de Valência:

1 - Foi a minha 42.ª prova! Quem diria? Só reparei no dia seguinte.

2 - Fiz split negativo (segunda meia mais rápida do que a primeira), o que considerava impensável. A primeira meia a 1h28m21s (4:11/km) e a segunda a 1h24m53s (4:01/km), totalizando 2h53m14s (4:06/km) - prova no strava https://strava.app.link/Ll9Rr0iC91.

3 - Fiz 81 treinos, totalizando 1.114kms de preparação ao longo de 16 semanas de treino - de cerca de 70kms por semana.

4 - Retirei mais de 9 minutos ao tempo da Maratona da Europa e mais do que isso, acabei bem a prova!

Para finalizar, agradecer a quem contribuiu direta e indiretamente para este meu objetivo:

À Lili, mesmo que por vezes não seja fácil conciliar os treinos com toda a nossa vida pessoal, deste-me o apoio para alcançar este objetivo. 

Ao David, graças a ti melhorei bastante ao longo dos últimos meses.

Ao JF Massagista, sempre disponível para me recuperares e deixares-me as pernas no melhor estado possível para a semana a seguir. 

A todos os amigos que me foram dando um apoio e incentivo extra, muito obrigado! 

Valência ficará na minha memória e seguramente hei-de regressar para uma vez mais poder ser feliz nas suas ruas e finalizar os seus 42.195m! 

Obrigado Valência! 

Autor: Pedro Amaro

Participaste na Maratona de Valência? Conta-nos como foi a tua experiência, enviando o teu relato acompanhado de uma foto para o email recordptrunning@gmail.com

Deixe o seu comentário
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Record Running

Notícias

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.